Publicidade
Amazônia
Amazônia

Sete municípios do Amazonas decretam situação de emergência por causa da cheia

A Defesa Civil do Amazonas informou que municípios da calha do rio Juruá estão sofrendo com chuvas acima da média, erosões, desbarrancamentos e inundações 25/01/2012 às 11:40
Show 1
Município de Ipixuna, no Amazonas, entrou em situação de emergência por causa da cheia do rio Juruá
acritica.com Manaus

Sete municípios do Amazonas estão em situação de emergência devido ao aumento do volume de chuvas, das erosões fluviais, desbarrancamentos e inundações bruscas e graduais. A informação foi divuldada nesta quarta-feira (25) pelo Subcomando Estadual de Ações de Defesa Civil (Subcomadec)

Os municípios de Eirunepé, Guajará, Ipixuna, Envira, Itamarati, Carauari e Juruá, localizadas na calha do rio Juruá, estão sendo atendidos Subcomadec. Nestes municípios 5, 2 mil famílias estão sendo afetadas.

Já a região do Alto Solimões está em Situação de Atenção devido às chuvas intensas, em função da elevação do rio Javari (Atalaia do Norte e Benjamin Constant) e ainda devido ao rio Solimões estar acima do nível normal para o período. As demais calhas apresentam elevação gradual, dentro da normalidade.

 “Com o diagnóstico feito, os levantamentos e registros da situação foram encaminhamos ao Governo Federal (Defesa Civil Nacional) para que o suporte e apoio técnico sejam alocados no Amazonas com mais agilidade”, afirmou o Secretário do Subcomadec, Roberto Rocha.

 A Defesa Civil do Amazonas já montou um Plano de Trabalho que inclui ações de assistência, socorro e reabilitação aos municípios afetados.

Todas as calhas dos rios do Estado são monitoradas diariamente pelo Subcomadec.

Os municípios do Alto Juruá, segundo atestou o Centro de Monitoramento Ambiental do Subcomadec, em parceria com órgãos de meteorologia como o Sistema de Proteção da Amazônia (SIPAM), vem passando por anomalia climática conhecida como La Niña.

O fenômeno ocasionou a alteração do comportamento climático e hidrológico e consequente antecipação do período de chuvas na região do Juruá, previsto para o final de janeiro e meses seguintes.

Solimões

De acordo com informações do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) o nível do rio Solimões, em Tabatinga, está em 11,58 metros nesta quarta-feira (25). No ano da maior cheia do Solimões, registrada em 1999, o nível nesta mesma data era de 9,03 metros. Em 2009, quando foi registrada a maior cheia do rio Negro, em Manaus (bacia influenciada pelo Solimões), o nível no Alto Solimões estava em 99,9 metros.

Conforme o engenheiro da CPRM, Daniel de Oliveira, ainda é cedo para avaliar se a cheia em 2012 poderá ser de grande magnitude. “Podemos fazer uma avaliação somente a partir de março”, disse.

Diagnóstico

Nesta quarta-feira, 25, no período da tarde, técnicos da Defesa Civil do Amazonas e do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (CENAD), que faz parte da Defesa Civil Nacional, estarão reunidos, por meio de videoconferência, para debater e traçar um diagnóstico da situação nas regiões do Juruá e Solimões.