Publicidade
Amazônia
Cotidiano,Meio ambiente,Desenvolvimento Sustentável,Rio +20,economia verde

Texto final da Rio+20 prevê conclusão de estratégia de financiamento para desenvolvimento sustentável até 2014

O texto aborda apenas a necessidade de se ampliar o financiamento internacional, para todas as nações, em especial àquelas mais pobres 19/06/2012 às 12:07
Show 1
Negociadores ainda deverão fazer alterações no texto que deve ser entregue amanhã (20), aos chefes de Estado
Agência Brasil Rio de Janeiro

Mantendo a expectativa dos últimos seis dias de negociações, a versão preliminar do documento final da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, elimina a possibilidade de criação de qualquer fundo para financiar ações de desenvolvimento sustentável nos países mais pobres.

A ideia era defendida pelo G77 - grupo que reúne Brasil e países em desenvolvimento. O texto aborda apenas a necessidade de se ampliar o financiamento internacional, para todas as nações, em especial àquelas mais pobres. Essa última versão ainda pode ser modificada.

Desde 10h (horário Brasília) desta terça-feira (19), os negociadores brasileiros e estrangeiros retomaram as reuniões. O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, disse que ajustes técnicos podem ser feitos ao longo do dia. Por isso, há a expectativa de alterações, mesmo que mínimas, segundo os negociadores. 

O documento também define o estabelecimento de um processo intergovernamental sob a responsabilidade da Assembleia Geral das Nações Unidas para lidar com as necessidades financeiras e para propor opções de uma Estratégia de Financiamento ao Desenvolvimento Sustentável. O relatório deverá ser concluído até 2014. O trabalho será feito por 30 especialistas nomeados por grupos regionais, que representem todos os continentes.

A questão sobre recursos e financiamentos está na parte final do texto, no sexto e último capítulo. No total, o documento tem 49 páginas. O texto destaca a necessidade de nações desenvolvidas buscarem esforços concretos para atingirem a meta de, até 2015, passarem a destinar 0,7% de seus produtos internos brutos (PIBs) para Assistência Oficial de Desenvolvimento (ODA) para países em desenvolvimento.

Outro ponto destacado no texto é a necessidade de se combater a corrupção, já que ela prejudica o combate à pobreza e o desenvolvimento sustentável. O texto também destaca a necessidade de se transferir tecnologia às nações em desenvolvimento e de haver um sistema de comércio internacional equilibrado que beneficie todas as nações em todos os estágios de desenvolvimento.

O documento destaca também a importância de se redobrar os esforços para a conclusão ambiciosa e balanceada da Agenda de Desenvolvimento de Doha - que se destina a discutir temas controversos envolvendo as relações comerciais e econômicas dos países desenvolvidos e em desenvolvimento.