Publicidade
Manaus Hoje
Apuração

Unidades prisionais da cidade de Manaus serão investigadas pelo MPC

Recentes descobertas de túneis e até fugas de detentos fez com que o órgão tomasse a medida 06/05/2016 às 20:28 - Atualizado em 09/05/2016 às 18:52
Show t nel
Material usado pelos presos e encontrado após a fuga de detentos no Centro de Detenção Provisório, no km 8, da AM -174
Kelly Melo Manaus (AM)

O Ministério Público de Contas (MPC) vai investigar se as unidades prisionais de Manaus foram construídas dentro das especificações previstas pelo Ministério da Justiça (MJ). As recentes descobertas de túneis e até fugas de detentos como ocorreu no Centro de Detenção Provisória (CDP), no início da semana, chamaram a atenção do procurador Carlos Alberto Almeida.

Almeida afirmou que na próxima terça-feira, 10,  vai pessoalmente acompanhar as obras do novo CDP, localizado no quilômetro 8 da BR 174, rodovia que liga Manaus a Boa Vista (RR), acompanhado de dois engenheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE), do secretário da Administração Penitenciária, Pedro Florêncio, e do secretário Estadual de Infraestrutura, Américo Gorayeb.

O objetivo, segundo Almeida, é verificar se os padrões técnicos de construção de presídios estão sendo respeitados pela construtora. “Eu também vou no outro CDP onde ocorreu a fuga para saber como esses detentos conseguiram cavar aquele buraco. Queremos analisar os projetos dessas obras para avaliar se os critérios estão sendo respeitados, pois nos chamou a atenção toda essa facilidades que eles tiveram para cavar esses túneis”, explicou o procurador, ao mencionar que no piso do CDP deveria haver uma camada de 20 centímetros de concreto por cima da terra compactada e o muro deveria ter até 3 metros de profundidade.

Além do Centro de Detenção Provisório, as demais unidades também devem ser fiscalizadas, segundo o procurador, que já agendou uma reunião com a Seinfra e Seap, para quarta-feira, 11, com a finalidade de discutir sobre a segurança dos presídios na capital.

“Esse trabalho de investigação é para tentarmos identificar os problemas e se for o caso, responsabilizar os secretários anteriores e as próprias construtoras, caso sejam encontradas falhas na execução dos projetos”, afirmou Carlos Almeida.

 

Detentos conseguiram fugir por um túnel escavado em uma cela

Na última segunda-feira, 39 detentos que cumpriam pena no Centro de Detenção Provisória (CDP)  conseguiram fugir por um túnel cavado a partir da cela 505 do pavilhão cinco. Os presos usaram ferros, baldes, palheta de ventilador e trabalharam rápido.

De acordo com o secretário estadual de Administração Penitenciária (Seap), Pedro Florêncio,  na cela havia 17 presos e ele acredita que na noite da fuga todos os 39 ficaram lá e passaram a noite saindo pelo túnel sem chamar a atenção dos poucos agentes que estavam trabalhando naquela noite. 

Ainda segundo o secretário, a fuga se deu porque a empresa Umanizzare trabalhou mal, não realizou as revistas e a cela estava  cheia de barro, o que prova que não houve fiscalização.

Um processo apuratório será instaurado para verificar as responsabilidades da Umanizzare. A ação está previsto no contrato.