Publicidade
Interior
JOIA RARA

‘Instituto Amor’ leva saúde, educação e geração de renda a comunidades ribeirinhas

Projeto levou serviços às comunidades Renascer e Bom Jesus, localizadas a até 7 horas de navegação a partir da sede do município. Aproximadamente 60 foram atendidas 02/05/2018 às 18:58
Show img 1277
acritica.com* Manaus (AM)

Atracado às margens do Rio Negro, no porto de Novo Airão, município a quase 200 km de Manaus, o “Joia Rara” sai para mais uma expedição para águas onde comunidades ribeirinhas anseiam por uma oportunidade de vida digna. Em mais uma missão neste feriado prolongado, o barco ambulatório levou acesso à saúde, educação e geração de renda a dezenas de moradores das vilas Renascer e Bom Jesus, localizadas a até 7 horas de navegação a partir da sede do município.

Ao todo, aproximadamente 60 pessoas receberam atendimento médico e passaram por procedimentos odontológicos, por meio da equipe multiprofissional na expedição embarcada, além de receberem medicamentos para tratamento do quadro de saúde apresentado e itens para higienização bucal. No grupo de pessoas atendidas estava a estudante Miriam Oliveira, 17, grávida de seu primeiro filho. Ela faz acompanhamento pré-natal na própria comunidade e quando consegue ir a Novo Airão. “Ter atendimento com essa equipe de voluntários ajuda e muito, pois ir todo mês à sede do município é muito complicado. E eu já precisava dessa consulta”, agradece Miriam, moradora da comunidade Bom Jesus.

Mas a gratidão não é só um sentimento por parte de quem recebeu o atendimento de saúde. A médica Nelsia Luniere, voluntária na expedição, explica o que a motiva a compartilhar saúde e conhecimento. “Há muito tempo eu vinha pensando em como fazer uma caridade efetiva e contínua. Sempre quis utilizar um veículo que tem tudo a ver comigo: a minha profissão. Essa é uma oportunidade que tenho de ir onde as pessoas mais necessitadas estão”, afirmou a profissional que participa pela 3ª vez da expedição organizada pelo ‘Instituto Amor’ – instituição sem fins lucrativos formada por uma rede de voluntários que dedicam tempo, conhecimento e recursos em benefício de comunidades ribeirinhas em situação de vulnerabilidade social.

Mesma emoção compartilhada pelo odontólogo Raimundo Solimões, também colaborador do Instituto, em sua 6ª participação em um atendimento embarcado promovido pela organização. “Dedico 50% do que aprendi para ajudar pessoas que necessitam. Sei das dificuldades que muitas pessoas têm ao não terem acesso ao dentista e aos cuidados efetivos dos dentes. Poder colaborar é muito gratificante”, destacou. Ele antecipa que a perspectiva é que a equipe também passe a fazer restauração nos atendimentos realizados no barco. “A princípio fazemos extração e um trabalho mais orientativo, educativo”, explicou.

Incentivo à leitura

O Joia Rara, um dos programas do ‘Instituto Amor’, também doou livros e material didático e de expediente para a Escola Municipal Elífio Pacheco. Para o educador Aloilson Michiles, 60, que recebeu a doação, o trabalho feito pelos colaboradores da entidade faz a diferença na vida dos moradores da comunidade. “A escola não tem material algum e as crianças padecem muito por falta de livros e outros instrumentos para leitura e desenvolvimento nas salas de aula”, disse o pedagogo, ao comentar a realidade desfavorável vivenciada por aproximadamente 100 estudantes da localidade. “Essas crianças não tem privilégio algum, por isso agradecemos muito a quem compartilha conosco!”, completou.

A luz do conhecimento é parte do processo que pode gerar oportunidade de transformação da realidade de muitos jovens. Para o Instituto Amor, não deve faltar a essas pessoas nenhum tipo de luz, inclusive aquela que muitas vezes não chega à noite e deixa muitas comunidades na escuridão. Pensando nisso, também foram entregues mais itens para produção do Kit Solar de baixo custo (composto por uma bateria, uma placa solar e uma lâmpada), do projeto “Luzes sobre a Amazônia”, idealizado pelo engenheiro Marcelo Casoni, também colaborador da Instituto.

Esses kits são doados aos moradores das comunidades que já se encarregam da produção e há ainda aqueles que são vendidos a outros interessados, gerando renda e oportunidade a muitos jovens da comunidade Renascer.  “A nossa intenção é propagar essa tecnologia para todos, um produto regional que atende a realidade dessas pessoas. Queremos que eles sejam multiplicadores desse conhecimento!”, valoriza Marcelo.

A embarcação do Instituto sai de um porto seguro muitas vezes sabendo que nem sempre as águas pelo caminho serão mansas, mas leva vida e esperança onde muitas pessoas podem atracar sem medo de naufragar, dando oportunidade a quem precisa de atenção e a quem ousa amar. A próxima edição deve ocorrer no fim de maio.

*Com informações da assessoria de imprensa

Publicidade
Publicidade