Publicidade
Interior
PARCERIA

Pescadores de Fonte Boa vendem pirarucu diretamente ao consumidor em Manaus

O peixe está sendo vendido na sede da Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e de 24 a 26 na Feira Internacional de Gastronomia da Amazônia (FIGA) 22/11/2017 às 18:27
Show pirarucu
Foto: Divulgação
Antonio Ximenes Manaus (AM)

A comunidade de pescadores da Ilha do Romão, localizada na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) de Mamirauá, em Fonte Boa, no Médio Solimões, está vendendo pirarucu fresco diretamente para o consumidor no bairro Parque Dez, na Zona Centro-Sul de Manaus. Seis pescadores que vieram para comercializar o peixe na Feira Internacional de Gastronomia da Amazônia (FIGA), que acontecerá nos dias 24, 25 e 26 de novembro no Centro de Convenções Vasco Vasques, estão criando um novo mercado sem atravessadores na capital e lucrando com a qualidade do peixe manejado legalmente em seus lagos.

“Nós fomos convidados para participar da Feira,mas como chegamos bem antes, aproveitamos para vender o peixe aqui na Fundação Amazonas Sustentável (FAS), que montou uma estrutura para nós”, disse Mizael Coelho Antunes,38, um dos líderes dos pescadores.

Ele destacou, também, que a venda direta do pirarucu em Manaus permite que a lucratividade seja bem maior, e que a participação na Feira Internacional de Gastronomia da Amazônia é muito importante para dar visibilidade à qualidade do produto da sua comunidade. 

“Trabalhamos o ano inteiro cuidando dos peixes e fazendo o acompanhamento do tamanho deles, para somente despescar aqueles dentro da legalidade. A gente trouxe somente os grandes, porque os pequenos e médios estão lá crescendo”.

Fundo Amazônia

Com recursos do Fundo Amazônia (BNDES) repassados para a Fundação Amazonas Sustentável (FAS), que investiu na compra de barcos (bajaras), flutuante para evisceração dos peixes, motores e toda a estrutura necessária para manter os peixes frescos e em condições de consumo, segundo às normas da saúde pública, a comunidade da Ilha do Romão se transformou em uma das referências mundiais de manejo do pirarucu.

Renda

Liderados por Diomézio Coelho Antunes, presidente da comunidade da Ilha do Romão, os pescadores locais chegam a receber mais de R$ 4.500,00 (individualmente) por período de despesca do pirarucu. Com a cultura enraizada de pescadores conscientes da importância do trabalho de manejo da espécie, eles estão conseguindo ficar na região, sem haver necessidade de migrarem para Manaus ou outras cidades do Brasil, em busca de emprego. 

“As coisas estão mudando para melhor na RDS de Mamirauá e isso se deve aos cuidados que as comunidades de pescadores têm com o manejo e na venda dos pirarucus”, costuma comentar Edson Carlos, que representa a FAS em Fonte Boa e acompanha os ribeirinhos em Manaus.

Filé

Os três irmãos pescadores da Ilha do Romão Madiel Coelho Correa, 21; Gesiel Coelho Correa, 27; e Bezalhel Coelho Correa, 24; tem todo o cuidado para fazer os cortes mais nobres do pirarucu, como o do filé, para que o comprador entenda como deve ser feito na casa deles, na hora de preparar o peixe.

Saúde 

O empresário Heber Rodrigues Pinto, 51, comprou vários quilos de pirarucu, e se mostrou surpreso pela qualidade da carne fresca, acondicionada no gelo e pelo preço de R$ 16,00  (o quilo). “Dá pra ver que é um peixe fresco, limpo e bem tratado e isso é muito importante, porque significa saúde e bom alimento”, comentou.