Publicidade
Manaus
Manaus

Amazonas fechou 2011 como à quarta economia do país

Em dezembro de 2011 quem puxou a indústria no Amazonas, foi o setor de alimentos e bebidas com (16,2%), impulsionado em grande parte pelo avanço na fabricação de preparações em xarope para elaboração de bebidas 07/02/2012 às 13:58
Show 1
A produção industrial amazonense, ao avançar 6,8% no quarto trimestre de 2011, mostrou ligeira redução de crescimento frente ao índice do terceiro trimestre do ano (8,4%),
Acrítica.com Manaus

A produção industrial do Amazonas, em dezembro de 2011, avançou 1,5% na comparação com o mês anterior, após queda de 0,4% em outubro e de 2,8% em novembro. As informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que o Estado ficou em quarto lugar na lista de Estados que mais produziram no país.

Em dezembro de 2011 quem puxou a indústria no Amazonas, foi o setor de alimentos e bebidas com (16,2%), impulsionado em grande parte pelo avanço na fabricação de preparações em xarope para elaboração de bebidas. Quem também contribuiu foi o setor de edição e impressão (36,3%), de máquinas e equipamentos (13,2%) e de refino de petróleo e produção de álcool (13,5%), influenciados principalmente pela maior produção de discos de dvd, fornos de microondas e de gasolina automotiva, respectivamente.

A produção industrial amazonense, ao avançar 6,8% no quarto trimestre de 2011, mostrou ligeira redução de crescimento frente ao índice do terceiro trimestre do ano (8,4%), ambas as comparações contra iguais períodos do ano anterior.

Vale destacar que os dois últimos trimestres apontaram resultados mais intensos que os verificados nos dois primeiros trimestres de 2011: 1º trimestre (-2,5%) e 2º trimestre (3,1%).

A perda de dinamismo entre o terceiro e quarto trimestres de 2011 foi verificada em sete dos onze setores pesquisados, com destaque para material eletrônico, aparelhos e equipamentos de comunicações (de 11,2% para -1,4%), equipamentos médico-hospitalares, ópticos e outros (de 21,3% para -7,7%) e máquinas e equipamentos (de 23,5% para 3,1%). Por outro lado, o principal ganho entre os dois períodos foi observado na atividade de alimentos e bebidas (de 1,3% para 20,5%).