Publicidade
Manaus
Manaus

Amazonas registra 551 estupros em sete meses

Vários casos já foram noticiados no Portal acritica.com e chamam atenção pela brutalidade. 14/09/2012 às 22:15
Show 1
Número de estupros aumentou em 4%
Camila Pereira Manaus

O Amazonas registrou em sete meses, janeiro a julho, 551 estupros, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública.(SSP-AM) Este número representa um aumento de cerca de 4% em relação ao mesmo período no ano passado quando foram registrados 529 casos.

Vários casos já foram noticiados no Portal acritica.com e chamam atenção pela brutalidade. A maioria desses casos ainda estão sendo investigados pela polícia.

Um dos casos absurdos foi de uma criança de sete anos vítima do padrasto. A violência foi tanta, que a menina teve de passar por uma cirurgia no útero. A irmã da menina, de quatro anos, presenciou a agressão. O padrasto foi preso.

Outra caso foi de uma adolescente de 17 anos, portadora de deficiência mental moderada. Ela foi estuprada por outro adolescente, também de 17 anos, que está à disposição da Justiça e responderá  por crime de estupro de vulnerável.

Em Iranduba, no Distrito de Cacau Pirera, uma idosa de 87 anos (município distante a 27 km de Manaus) foi estuprada pelo próprio genro. O crime chocou a família e a vizinhança, além do estupro, a idosa também foi torturada. O acusado negou a autoria do crime.

Outro caso que ganhou atenção foi o de duas meninas de 11 anos e 14 anos. A jovem de 14 anos foi estuprada por um homem e a criança de 11 anos também foi estuprada e teve parte do útero e ânus cortado, estava sagrando no momento do atendimento médico e por pouco não morreu por hemorragia interna. Não há informações sobre a prisão do autor.

Preso

Herley Nascimento Santos foi preso, entre as acusações, está a participação em pelo menos 22 casos de estupros em Manaus, quase a metade contra menores. A frieza do acusado era uma de suas principais características.

Os relatos sempre citavam que os crimes ocorriam entre as 5h30 e 7h30 da manhã. Neste horário, crianças e adolescentes costumam se dirigir à escola, e as mulheres adultas, em geral, iam para o trabalho quando foram abordadas e violentadas, disse.

A atuação violenta, os carros utilizados e o horário característico levaram os policiais a um determinado ponto onde a investigação por estupro e estupro de vulnerável se cruzou com os roubos investigados pela Delegacia de Roubos, Furtos e Defraudações. Este, segundo, foi um momento determinante para a investigação. “Quando percebemos que se tratavam do mesmo suspeito, unimos as forças e tudo ficou mais fácil. As vítimas começaram a aparecer e reconhecer o Herley como autor dos estupros”, disse.