Publicidade
Manaus
Manaus

Amazonino apresenta balanço de seu mandato: 'houve melhorias em todos os setores'

Entre os setores destacados como os que mais obtiveram melhorias, de acordo com Amazonino, foram os setores de saúde, educação e obras. "Eu gostaria de receber a prefeitura como eu estou transmitindo", afirmou o político 15/12/2012 às 22:15
Show 1
Amazonino em coletiva à imprensa
Laynna Feitoza Manaus

O prefeito de Manaus, Amazonino Mendes (PDT), realizou coletiva de imprensa nesta quarta-feira (12), na sala de reuniões do gabinete, na sede da Prefeitura, para apresentar um balanço dos quatro anos de administração. Ao se despedir do comando da prefeitura, Amazonino ressaltou que "foi o melhor e mais difícil mandato de todos o que já viveu".

Durante o evento, em tom de despedida, o prefeito avisou que não vai entregar a prefeitura no vermelho. “Essa entrevista é eminentemente técnica. A entrevista não é para enaltecer a administração, o objetivo e ser transparente e dar um relatório do que aconteceu nos quatro anos”, disse.

Mendes anunciou que talvez a coletiva seja a última entrevista dele como político. "Eu gostaria de receber a prefeitura como eu estou transmitindo, com uma apresentação limpa", afirmou o político.

Saúde e transporte público

Entre os setores demarcados como os que mais obtiveram melhorias, de acordo com Amazonino, foram os setores de saúde, educação, obras e finanças. "As casinhas de saúde antes não tinham condições de prestar atendimento, e nesse tempo, do total de 160 prometidas serão entregues 70 casonas de saúde que mudarão a filosofia da saúde básica", disse.

"Pela primeira vez na história administrativa fizemos um planejamento completo, principalmente de geoprocessamento", afirmou Mendes, dizendo que isso é algo que se pode identificar nas ruas de Manaus.

Amazonino ressaltou que deixa, ao fim de seu mandato, a construção de quatro laboratórios. Segundo ele, as unidades estarão interligadas às casas de saúde e serão construídas em diferentes zonas da cidade. "Esses laboratórios tem a capacidade de abrigar 5 milhões de exames ao ano. Eles estão programados para darem resposta em no máximo 48 horas", salientando também a transição das casinhas para casonas, a instauração dos programas Carretas da Mulher e Leite do Meu Filho como referências no estado, segundo a análise de Mendes.

"Na campanha eleitoral os programas (do mandato de Amazonino) foram elogiados por todos os candidatos. Todos disseram que queriam continuar", disse.

Ele destacou também que um dos setores mais graves da cidade de Manaus é o do transporte público. "Um problema que comprometeu mais minha saúde foi a questão dos ônibus. Manaus antes tinha a frota mais velha do Brasil, agora tem a frota mais nova", disse. "E eu não resolvi quase nada, o problema de transporte público continua grave, porque os vícios do setor são difíceis de serem removidos", justificou, dizendo que o novo prefeito continuará com um problema grave, que ele não conseguiu resolver.

Infraestrutura e finanças

No setor de obras, Amazonino destacou que construiu, ao todo, 364 obras. Entre elas estão o viaduto, a Ponta Negra e as escolas. "Trabalhamos em 14 mil ruas, Manaus é horizontalmente gigantesca, chegamos a recuperar quase todas as ruas dessa cidade", afirmou.

O prefeito disse que uma cidade que não tem serviço de implantação e fiscalização de contas é condenada. "Me refiro a um órgão o qual não é dado tanta importância, mas que talvez seja um dos mais importantes da cidade, que é o Implurb", disse.

No setor de orçamento, o prefeito disse que entrega a prefeitura de Manaus com a média de investimento de 14%. "O estado tem a capacidade de investimento de 5%, já a prefeitura será entregue com 14%. O orçamento em 2008 foi de 1 bilhões e 800 milhões. O orçamento hoje é de 3 bilhões e 200 milhões".

Sobre o fato de a comissão de transição ter emitido relatórios a Artur Virgílio Neto que apontavam déficits orçamentários na prefeitura, Amazonino disse que há um equívoco. "O equilíbrio fiscal da prefeitura está presente. Deve ter ocorrido algum erro de interpretação das contas ou algum balanço parcial", certificou.

Acerca do não cumprimento da revitalização do Mercado Adolpho Lisboa, Mendes afirmou que a falta de verbas comprometeu a ação. "A verba que tomaram para fazer o mercado foi de 20%. Ficou muito pesado para o município bancar a obra", assegurou.

Educação e futuro

Na educação, o prefeito avaliou como positiva a implantação do programa Bolsa Universidade. Segundo ele, 39 mil alunos já foram contemplados com o projeto, ao todo. "A questão do ensino superior não tem a ver com a prefeitura. Foi feito até mais do que foi prometido", enfatizou.

Sobre os planos no futuro, Amazonino disse que não tem interesse em retomar a carreira política. "A única coisa que eu não penso é em assuntos políticos. Posso até voltar por alguma gravidade ou circunstâncias de terceiros, mas não tenho nenhum interesse e vontade de participar de acordos políticos", disse, confessando que tem interesse em criar uma fundação para ajudar jovens.

"Tenho concebido ideias sobre a aquisição de máquinas de custo baixo e criar viabilidade econômica para jovens e sensibilizar pessoas que possam contribuir com a dedução do imposto de renda", destacou.

'Artur tem condições de ser um bom prefeito'

Questionado sobre o que pensa em relação ao seu sucessor, Artur Virgílio Neto, Mendes arrematou: "É um bom político, tem muitas vivências, tem experiência política", disse, frisando que o novo prefeito terá grandes desafios pela frente. "Nós não temos uma tradição de soluções de problemas públicos. Nós lidamos com o Ministério Público, com as liminares judiciais, e isso não é fácil. Espero que seja e acredito que será um bom prefeito", pontuou.

Sobre os motivos que o levam a deixar a carreira política, Amazonino pontuou os pessoais. "Tenho 73 anos, não cuidei da minha família. Penso que deixei de cuidar, de orientar, de estar perto. Penso que tenho que dar mais tempo para eles, meus filhos, meus netos", confessou.

Mendes não descartou ser deputado estadual um dia. "Penso em ser deputado estadual, porque na minha avaliação é um crítico positivo do governo, pode discutir matérias, pode trazer enfoques que passam desapercebidos. Um bom deputado estadual é tão ou mais importante que um governador", contou.

Amazonino avaliou a sua gestão como "a melhor administração que fiz durante toda a minha vida pública e a mais difícil de todas. Entrego uma prefeitura 1 milhão de vezes melhor", concluiu.