Publicidade
Manaus
Manaus

Após um ano da morte de um designer a polícia conclui que não há suspeito do crime

Suspeito de matar Rubem Márcio de Souza Chaves não foi identificado; inquérito será entregue à Justiça na segunda 05/09/2012 às 11:39
Show 1
Rubem Márcio assustou-se com abordagem de homens que estavam em uma moto e tentou fugir, mas levou tiro no coração
Maria Derzi Manaus

A Polícia Civil (PC) vai encaminhar à justiça, na próxima segunda-feira, o inquérito com as conclusões das investigações sobre a a morte do gerente de desenvolvimento e designer, Rubem Márcio de Souza Chaves, 32, ocorrida exatamente há um ano. Não há suspeito para o crime.

Por volta da 1h do dia 5 de setembro de 2011, Rubem Chaves foi assassinado na rua Alexandre Magno, conjunto Jardim Oriente, Parque 10, Zona Centro-Sul. Segundo a PC, trata-se de uma tentativa de roubo que culminou em homicídio. As informações são da assessoria de imprensa da Polícia Civil.

As investigações foram coordenadas pela titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Cristina Portugual. Durante um ano foram ouvidas dez testemunhas sobre o caso, que foi considerado crime de ocasião. Dentre elas, a amiga de Rubem, Regivane Aquino, que testemunhou o crime de dentro do carro, ocorrido na frente da casa dela.

Sem identificação

De acordo com as investigações, Regivane não conseguiu ver o rosto do assassino. As demais testemunhas, que estavam nas proximidades do local do crime, disseram que apenas ouviram os tiros e, segundo a polícia, pouco puderam contribuir com o caso a fim de identificar o autor dos disparos.

Segundo informações da DEHS, o posicionamento do carro da vítima também dificultou que as câmeras de segurança instaladas no local captassem com maior nitidez a imagem do criminoso. Essa seria uma das principais provas para que a polícia pudesse indentificá-lo.

Rubem não tinha envolvimento com crimes. O mesmo foi declarado sobre Regivane, após a conclusão das investigações da Polícia Civil.

Em agosto, a família de Rubem reclamou sobre a demora nas investigações que, segundo eles, estava, há quatro meses sem informações sobre o inquérito movido pela Polícia Civil. Os familiares disseram estar com medo de que o crime caísse no esquecimento e que pudesse não ter resolução.

O crime
Dois homens numa moto de placas não identificadas abordaram Rubem que estava dentro de um Gol prata. Assustado, ele tentou fugir mas, o garupa disparou um tiro que atingiu o coração da vítima.

Formação
Rubem Márcio Sousa Chaves era natural de Santarém (PA), mas residia em Manaus. Era formado em Desenho Industrial/Programação Visual pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e desenvolvia projetos para clientes de fábricas de celular. Rubem deixou esposa e dois filhos: um de 5 e outro de 1 ano, respectivamente.