Publicidade
Manaus
Manaus

Arte contemporânea na pré-Bienal do Amazonas

Evento terá duração de 45 dias e vai trazer obras dos artistas Di Cavalcanti e Burle Max 05/02/2012 às 11:13
Show 1
O paisagista Roberto Burle Max terá destaque na pré-Bienal de Artes Plásticas
Mellanie Hasimoto Manaus

A Bienal de Artes Plásticas do Amazonas só acontecerá no ano que vem, mas a Secretaria de Estado de Cultura do Amazonas (SEC) já tem tudo engatilhado para o evento que irá apresentar a exposição. É que este ano, de março a abril, no Centro Cultural Povos da Amazônia (CCPA), acontece a pré-Bienal, com exposição de trabalhos produzidos por Di Cavalcanti, o artista amazonense Hahnemann Bacelar e o paisagista Roberto Burle Marx, além de obras de sete artistas locais.

Durante a pré-Bienal, afirmou o titular da SEC, Robério Braga, virão à Manaus 80 trabalhos do artista plástico carioca Di Cavalcanti (1897- 1976). “O acervo está vindo de diversas partes do Brasil, e a exposição toda terá curadoria de Romaric Büel”, acrescentou o titular da pasta. Büel é o curador da coleção da falecida socialite Lily Marinho.

Di Cavalcanti é um dos mais importantes nomes do Modernismo brasileiro e foi quem idealizou e organizou a Semana de Arte Moderna, que aconteceu em São Paulo, em 1922. Entre suas principais obras estão “Pierrete” (1922), “Pierrot” (1924), “Samba” (1925), “Cinco moças de Guaratinguetá” (1930), “Nu e figuras” (1950), “Duas Mulatas” (1962), e “Baile Popular” (1972).

Da terra

Os três artistas serão homenageados da pré-Bienal, mas a produção local não será esquecida. Além de Bacellar, mais sete artistas daqui farão parte da pré-Bienal, e cada um terá expostos três trabalhos. “A pré serve para preparar e lançar o grande evento, que acontece em 2013. Nela será lançada a proposta temática da Bienal, promovendo painéis, debates e palestras”, acrescentou o secretário.

Braga reforça, entretanto, que o curador é quem escolhe as peças e artistas que vão compor a pré-Bienal, e que não há interferência da SEC na questão. “E faremos o possível para que a exposição seja contemporânea, pois o objetivo é mostrar a modernidade, o avanço de todos os artistas amazonenses, tanto que vamos ter um painel sobre graffite e, com a participação de 30 grafiteiros de Manaus”, adiantou.