Publicidade
Manaus
Manaus

Artur diz que enfrenta 'possibilidade de uma crise previdenciária'

Artur Virgílio disse que Manaus "precisa de dinheiro de fora, de dentro, emprestado, emprestado do exterior, com colaboração federal, estadual, de onde vier" 23/02/2013 às 12:59
Show 1
Artur Virgílio e Antônio Anastasia, governador de Minas Gerais, participaram do encontro
acritica.com Manaus

O prefeito de Manaus, Artur Virgílio disse, durante encontro promovido pelo Instituto Teotônio Vilela do Amazonas (ITV-AM), nesta sexta-feira (22.02), no Dulcila's da Ponta Negra, que, diante do tamanho do desafio encontrado, trabalha com a ideia de "reduzir expectativas", embora "o trabalho seja persistente", revelando que enfrenta a possibilidade de "uma crise previdenciária".

Já Antônio Anastasia, governador de Minas Gerais, detalhou o "Choque de Gestão" implantado no Governo Aécio Neves (2003-2006) e, na segunda fase do mesmo, o "Estado para resultados". "O programa não terminou", enfatiza.

Artur Virgílio disse que Manaus "precisa de dinheiro de fora, de dentro, emprestado, emprestado do exterior, com colaboração federal, estadual, de onde vier". "O orçamento de Manaus tem que ser autônomo", afirma. "A cidade tem que caber no próprio orçamento e nós estamos economizando em tudo", disse.

O prefeito fez muitos elogios a Anastasia. "Minas, antes do Choque de Gestão, mesmo sendo o segundo Estado do País, não pagava 13º. O governador choca por dizer o que pensa e diz de forma clara porque se trata de um dos técnicos mais competentes em gestão pública que conheço".

Anastasia foi secretário de Estado de Planejamento e Gestão no governo Aécio Neves, em 2003, responsável por estruturar e conduzir, no plano administrativo, o programa chamado 'Choque de Gestão', um novo modelo de gestão pública, baseado na inovação, na eficiência e na conquista de resultados. Em 2007, na condição de vice-governador de Aécio Neves, conduziu a segunda etapa do programa, chamada de "Estado para resultados", que alcançou índices positivos na saúde, educação e infraestrutura.

Com informações da Semcom.