Publicidade
Manaus
GOVERNO de portas abertas

Artur Neto: 'com Temer, Manaus vai voar em nuvens tranquilas, nuvens de brigadeiro'

Prefeito diz que peemedebista é seu amigo de longa data e que com ele não vai ter as dificuldades de conseguir recursos para investir na cidade que afirmava ter na gestão de Dilma Rousseff 12/05/2016 às 19:54 - Atualizado em 12/05/2016 às 20:09
Show img0008433206
Visita de Michel Temer a Manaus em 2012 (Foto: Bruno Kelly/Arquivo AC)
Rafael Seixas Manaus (AM)

O prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB), disse, em áudio divulgado à imprensa nesta quinta-feira (12), que a posse de Michel Temer (PMDB) na Presidência da República interrompe um ciclo de "perseguição ignóbil que faziam contra a cidade".

Em vários momentos ao longo do seu mandato, o prefeito sustentou ter tido dificuldades para conseguir recursos financeiros e realizar investimentos na capital. No começo de 2014, por exemplo, o tucano tachou de tímida a parceria entre o município e a União. Agora, com a troca no Planalto, ele acredita que as “portas” estarão abertas para Manaus. O peemedebista, revelou, é seu amigo pessoal de longa data.

“As portas do presidente são muito abertas para Manaus. Temos uma relação de amizade pessoal. Eu era líder do governo Fernando Henrique e ele era presidente da Câmara dos Deputados. Tivemos um período de convivência muito espreita, fomos colegas durante muito tempo de Câmara e Congresso, e não vejo nele nada parecido com a perseguição", afirmou.

"Eu acredito que ele vai jogar para unir o País, não eleitoralmente, mas unir o Brasil em torno do objetivo comum a todos os brasileiros de bem que é tirar o País desse atoleiro", acrescentou Artur Neto.

"Em relação à Manaus, acredito que agora vá voar em nuvens bem tranquilas, nuvens de brigadeiro, não haverá mais aquele céu turbulento da perseguição política”, completou.

Artur Neto deixou nas entrelinhas que políticos locais pressionavam a presidente para que ela brecasse a liberação de verbas para a capital amazonense. “A meu ver a própria presidente Dilma se deixava pressionar. Eu não sentia nos contatos com ela nenhuma animosidade em relação a mim, mas entendo que havia gente que colocava dedo no suspiro e isso foi muito penoso para nós, mas, ainda assim, lhe desejo todas as felicidades", amenizou o prefeito em sua fala.

Governabilidade

O prefeito de Manaus considera que a gestão de Dilma Rousseff ficou insustentável porque a petista perdeu qualquer condição de governabilidade. "Ela caiu porque não conseguiu governar o País, acima das pedalas [fiscais], e porque perdeu toda e qualquer condição de governabilidade", avaliou o tucano.

Para Artur Neto, o interino Michel Temer tem que assegurar a governabilidade sem lotear  "pontinhas" do governo entre partidos e parlamentares. A equipe anunciada hoje por Temer  conta com sete ministros do PMDB, além de indicados do PP, do PSDB, do PSD, do DEM, do PRB, do PTB, do PSB e do PR, entre eles senadores e deputados.

"Ele [Temer] tem que acertar no atacado, porque o apoio vem de qualquer maneira para ele. O varejo desmonta e desmoraliza qualquer governo. Espero que essa chance que o Brasil está se dando não seja desperdiçada e que percebam que a intenção do querido Michel Temer é acertar”, declarou Artur Neto, que disse ter tido uma conversa por telefone com o presidente interino nesta quarta-feira (11).  

O prefeito disse que expôs ao presidente que é preciso se preocupar menos com partidos políticos e com acordos parlamentares. A avaliação de Artur é de que o peemedebista deve assegurar a opinião pública, um dos muitos fatores que contribuíram para o afastamento de Dilma Rousseff.

“Se ganhar a opinião pública, ele sempre terá uma boa base parlamentar. Se perder, ele vai ver o barco esvaziar e quem sabe melhor disso hoje é a presidente Dilma Rousseff. Seus amigos mais queridos a abandonaram, os mais prestigiados inclusive", observou.

"Eu disse ao Temer que conte comigo, conte com Manaus, e que Manaus precisa que o Brasil dê certo. Tudo que estiver ao nosso alcance para fazer o governo dele ser bem-sucedido significará avançarmos contra a crise avassaladora que está aí", afirmou o tucano.

Ministérios

Parte da nova equipe ministerial conta com a simpatia de Artur Neto. "Entendo que ele acertou em alguns nomes [para ministros], não posso avaliar todos, mas acertou no Ministro de Estado das Relações Exteriores, pois José Serra é um homem preparado para esse desafio”, opinou.

“Ele acertou fortemente na dupla Henrique Meirelles e Ilan Goldfajn. Meirelles para o Ministério da Fazenda e Goldfajn para o Banco Central. São nomes que inspiram confiança nos mercados, passam a ideia de política séria, consequente e científica. Vão trabalhar com muitos acertos na política econômica do País”, acrescentou.

Saída para a crise

Ainda segundo Arthur Neto, para o País sair da crise econômica, Temer terá que reverter juntos aos investidores nacionais, sobretudo os estrangeiros, as expectativas negativas com a economia.  

“Ele não tem mais o peso do Eduardo Cunha como vice, então está livre para viajar na hora que quiser, só precisa escolher um presidente da Câmara dos Deputados que seja diferente daquele [Waldir Maranhão] que fez aquela apelação transformando a Câmara dos Deputados em um picadeiro. Ele tem tudo para conseguir a reversão das expectativas. Medidas de enxugamento da máquina também são necessárias, e isso vai criando um clima favorável que, se Deus quiser, vai refletir já em 2017”, concluiu.