Publicidade
Manaus
documentos escolas

Ausência de documentos atrasa repasse de recursos para Escolas de Samba de Manaus

Falta de comprovantes como a certidão negativa das escolas de samba está emperrando o repasse; faltam 17 dias para o desfile 01/02/2012 às 11:46
Show 1
No galpão da escola de samba Balaku Blaku os trabalhos estão acelerados
Florêncio Mesquita Manaus

A 17 dias do desfile das escolas de samba do Grupo Especial do Carnaval de Manaus nenhuma agremiação recebeu o repasse do dinheiro público do Estado e do Município para custear o desfile. Os recursos deveriam ter sidos repassados em novembro de 2011, segundo a Associação do Grupo Especial das Escolas de Samba de Manaus (Ageesma) e até essa terça-feira (31) a situação ainda não havia sido resolvida.

Com menos de três semanas para o Carnaval, as escolas já estão prejudicadas porque terão que correr contra o tempo para finalizar os trabalhos até o desfile e investir os recursos públicos na compra e confecção de fantasias e alegorias até o próximo dia 18.

O Estado deve disponibilizar o montante de R$ 2,106 milhões, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), sendo R$ 234 mil para cada agremiação do 1º e 2º Grupo Especial. Já a Prefeitura de Manaus deve entrar com recurso total de R$ 855 mil só para o Carnaval das escolas de samba. Cada escola receberá R$ 95 mil do município. Na soma de recursos, cada escola de samba receberá R$ 326 mil sendo que devem gastar entre R$ 400 mil e R$ 800 mil no Carnaval deste ano.

Segundo a Secretaria de Estado da Cultura (SEC), o repasse não foi feito porque as agremiações não entregaram os documentos necessários para a assinatura do convênio como, por exemplo, as certidões negativas, e que os recursos já estão disponíveis e dependem, apenas, que as escolas cumpram os trâmites legais. Na esfera municipal a situação se repete na falta de documentação das agremiações. No entanto, segundo previsão da Ageesma, o repasse deve ser resolvido ainda esta semana. Na última semana, a assessoria da Secretaria Municipal de Finanças (Semef) informou que o secretário da pasta, Alfredo Paes, se reuniria com o presidente da Fundação Municipal de Eventos e Turismo (Manaustur), Arlindo Júnior, para discutir o repasse às escolas.

 O presidente da Ageesma informa que deve conversar com o titular da Manaustur, Arlindo Júnior, hoje, para resolver definitivamente o repasse da verba.

Quanto aos valores que devem ser repassados pelo Estado, ele disse que já formalizou os documentos necessários para o depósito dos recursos e os enviou a SEC.

Alternativa é comprar no crediário

Embora as escolas de samba contem com os recursos para fazer o Carnaval, a maioria delas já está em pleno trabalho para levar o desfile para a avenida mesmo com poucos recursos. É o caso da Escola de Reino Unido da Liberdade do Morro da Liberdade, Zona Sul. Segundo o presidente da escola, Mário Pierre, a alternativa é comprar material no crediário para ganhar tempo nos trabalhos, e pagar as dividas quando os recursos do Estado e da Prefeitura forem repassados.

De acordo com o Elimar Cunha, as escolas só estão trabalhando na confecção de alegorias e fantasias porque buscaram, nos últimos meses, levantar recursos próprios, com o apoio da comunidade, para fazer o seu Carnaval. Entre as alternativas para arrecadar dinheiro estão eventos nas quadras e ajuda de patrocinadores.

 “As escolas estão à duras penas levantando recursos com a ajuda de instituições privadas, patrocinadores e da própria comunidade”, disse o dirigente da Ageesma. Ele completa dizendo que, mesmo com a correria de última hora, “vai dar tempo paras as escolas realizarem um belo Carnaval”.