Publicidade
Manaus
Polícia, assassinato, taxista

Caçada por matadores de taxista resulta em tiroteio, na Zona Norte de Manaus

Suspeito de envolvimento na morte de Plínio Tavares foi descoberto no bairro Alfredo Nascimento e ao preceber a movimentação dos motoristas de táxi efetuou vários disparos contra os mesmos   07/06/2012 às 22:24
Show 1
Taxista se arma com um pedaço de pau, na caçada a um dos assassinos do motorista Plínio Tavares
Síntia Maciel e Catiane Moura Manaus

Revoltados com o assassinato de um colega de trabalho, o motorista Plínio de Lima Tavares, 49, aproximadamente 100 taxistas por pouco não invadiram as dependências do 13º Distrito Integrado de Polícia (13º DIP), localizado no bairro Cidade de Deus, Zona Norte de Manaus, nesta quinta-feira (7) à tarde.

Ao tomarem conhecimento de que um homem identificado até o momento como Fábio, seria um dos envolvidos no assassinato de Plínio, ocorrido na madrugada dessa quarta-feira (6), e que o mesmo teria sido preso por uma guarnição da 13ª Companhia Interativa Comunitária (13ª Cicom), seguiram para a delegacia no intuito de tentar invadi-la para linchar o suspeito.

A invasão não ocorreu, porque Fábio foi retirado do 13º DIP, por policiais do Divisão de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), que o levou para um local seguro.

Em meio à confusão um terceiro suspeito, também identificado apenas como Buiu, teria sido localizado na comunidade do bairro Alfredo Nascimento, na mesma área em que Alex foi preso.

Ao se deslocarem para o local, para tentar capturar Buiu, os taxistas foram recebidos à bala, pelo suspeito, que se embrenhou no matagal.

Viaturas da 13ª Cicom foram deslocadas até a área, para tentar localizá-lo.

Prisão
Por volta das 12h dessa quarta-feira, Wellington Pontes Machado, 23, foi preso por uma equipe da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), como sendo um dos suspeitos na morte de Plínio. 

À noite, a casa de um dos suspeitos de envolvimnto no crime, por pouco não foi queimada e invadida. Parte do telhado do imóvel, também situado no bairro Alfredo Nascimento, foi destruído com pedaços de pau e pedras arremessados sobre ele.