Publicidade
Manaus
Manaus

Campanha de respeito ao pedestre em Manaus divide a opiniões ao completar um ano

A Prefeitura de Manaus diz que a campanha reduziu em 26,85% o número de atropelamentos na cidade 13/07/2012 às 07:35
Show 1
Campanha ‘Tô na faixa’ ainda é polêmica em Manaus
jornal a crítica Manaus

Ao completar um ano de  funcionamento em Manaus, a Campanha “Tô na Faixa”,  desenvolvida pelo Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) ainda divide opiniões entre a população na cidade. Alguns pedestres acreditam que os motoristas começaram a se conscientizar, com a presença do pedestre na feixa vermelha. Outros, dizem que a campanha não surtiu efeito e que precisa ser melhorada.

A Prefeitura de Manaus diz que a campanha reduziu em 26,85% o número de atropelamentos na cidade.

Na Zona Leste, onde o fluxo de veículos é considerado um dos mais perigosos da cidade, os usuários acreditam que os motoristas da área ainda não respeitam a sinalização com o braço na faixa vermelha. Mas, aos poucos estão começando se conscientizar. “Alguns motoristas respeitam, outros não. Mas, seria mais seguro se tivesse o sinal do pedestres e do motoristas ou aquele botão para a a gente pedir passagem. Acho que o pessoal do Manaustrans deveria pensar em colocar esses sinais para dar mais segurança aos pedestres”, avaliou o funcionário Zeney Alfredo Góes.

Para a aposentada  Francisca Oliveira, a faixa vermelha funciona. “Eu acho que sim, pelo menos comigo toda vez que peço passagem eles param”, disse. Outro que disse sim à campanha foi o militar Wagner Oliveira. “Hoje, coincidentemente, estou andando à pé. Mas, quando estou de carro, sempre lembro de parar”, afirma.

A dona de casa  Otília Ramos  tem outra opinião. “Não, não tá funcionando porque o pessoal não está respeitando”, diz.

Sucesso
De acordo com o Manaustrans, a campanha “Tô na faixa”  mudou o comportamento de motoristas e pedestres. Para o órgão, a campanha cumpre o objetivo. “É uma campanha de valorização pela vida. Graças à essa mudança de comportamento e ao respeito à sinalização, quarenta vidas foram salvas”, diz o presidente do Manaustrans, Walter Cruz.