Publicidade
Manaus
Manaus

Candidatos à Prefeitura de Manaus afinam discursos

Hyssa Abraão (PPS) e Pauderney Avelino (DEM) dão o tom da campanha que enfrentará para a Prefeitura de Manaus 18/06/2012 às 08:38
Show 1
Pauderney Avelino entende que a cidade tem muitos problemas e que ninguém conseguirá resolvê-los sozinho
KLEITON RENZO Manaus

O tom de como serão as campanhas entre os candidatos a prefeito de Manaus foi dado no sábado pelo vereador Hissa Abrahão (PPS), em discurso durante convenção que homologou o nome dele para concorrer à prefeitura tendo como o vice o presidente estadual do partido, Guto Rodrigues.

Sem citar diretamente os nomes dos prefeituráveis, ele disse que “Manaus é uma cidade muito generosa”, e alfinetou aqueles que já aparecem como adversários do PPS nas urnas. “Manaus já deu chance para candidatos que estão querendo voltar (para a prefeitura).  Ela já deu chance até para quem gosta de poder e não sabe para onde vai”, disparou, para em seguida completar. “Minha gente, todo mundo já teve a sua chance, e os problemas continuaram. O que nós vamos pedir nessa eleição é uma chance para o 23”.

Realizada no sábado, a convenção do PPS teve a presença de pouco mais de 300 pessoas, entre elas os 64 candidatos que o partido irá lançar para as vagas da Câmara Municipal de Manaus. Para os correligionários, Hissa afirmou que as cinco diretrizes do programa do PPS serão: trânsito, transporte, abastecimento de água, segurança e combate à desordem urbana. “Segurança é uma responsabilidade do Estado, mas como gestor nós iremos ajudar na administração. Para esses cinco problemas, iremos propor soluções ao longo da campanha”, prometeu.

Questionado sobre a relação do PPS com o governador Omar Aziz (PSD), uma vez que o deputado estadual Luiz Castro (PPS), que não compareceu à convenção, faz oposição ao governador, Hyssa preferiu não se comprometer. “A minha postura na Câmara é uma postura que faz oposição aos problemas e situação da cidade. Eu não faço política com picunhas, mas com base em novas ideias. Portanto, aquilo que eu entender que é bom para a cidade e para o Estado, não tenho dúvidas que o governo do Amazonas também vai entender”, disse.

Hissa justificou sua candidatura como a “renovação da política” para Manaus. “Ao mesmo tempo que a gente trabalha, estuda e se prepara para a renovação política, os grandes caciques tentam a todo modo desdenhar desse garoto aqui. Tentam a todo modo fingir que não existo”, disparou. Em 2010 o vereador saiu candidato a governador pela coligação “O Amazonas De Todos Nós”, formada pelo PPS, PV, e o PSDB que deu o vice Mário Mendes para a chapa. Naquela eleição Hissa Abrahão conseguiu 138.281 votos válidos, ou 9,36% do total apurado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM).

Promessa de governo participativo

Definido como candidato a prefeito, Pauderney Avelino (DEM), resolveu apostar nas creches, à exemplo do que fez o prefeito Amazonino Mendes (PDT), quando prometeu em campanha a construção de mil unidades para atender crianças de famílias carentes em toda a cidade. “Vamos dar atenção para as crianças nos centros integrados que serão creches com horário integral, para que essas crianças possam ser bem tratadas e os pais possam trabalhar e tenham onde deixar seus filhos em local adequado”, prometeu Avelino, acrescentando que fará de fato as creches..

Hyssa Abrahão entende que o orçamento da cidade é limitado e afirmou que irá priorizar a mobilidade urbana. “O usuário de transporte coletivo tem que sair de casa com a certeza de que terá um ponto de ônibus coberto para ele aguardar a chegada de um coletivo e que esse ônibus não demore”, disse.

Em comum os dois prometeram fazer uma administração participativa e declararam amor à Manaus. Avelino prometeu ir de casa em casa, mostrar o histórico dele e Abrahão disse que ser prefeito é um sonho de infância dele, uma vontade que vem do fundo do coração.

Elvira Silva/ Dona-de-casa e moradora do João Paulo, Zona Leste.

“Não sei se votarei nele”

A dona de casa Elvira Silva, 26, e o filho de sete meses de idade saíram às 8h numa caravana do bairro João Paulo, Zona Leste, para acompanhar a convenção do PPS. Ela e mais vinte pessoas vieram em ônibus fretado por partidários do vereador Hissa Abrahão, mas disse que ainda não sabe se votará nele para prefeito. Questionada se conhecia o trabalho do vereador na Câmara Municipal de Manaus, ela respondeu que “nem sabia que ele era político. Estou conhecendo ele hoje e ainda vou decidir. Hoje que estou ouvindo as propostas dele pela primeira vez. Ele ainda não foi ao nosso bairro, mas espero ouvir boas propostas”, comentou.

 Pauderney Avelino dep. federal e candidato a prefeito

“Não dá para resolver os problemas de Manaus sozinho. Quem se arvorar a fazer isso mentirá para a população. Nós devemos ter o apoio de todos. Manaus é uma cidade com muitos problemas. Não apenas o problema da mobilidade, não apenas o problema da água, mas também na saúde e na educação. Precisamos sim resolver o problema da água. Um dado estarrecedor é que 50% das pessoas de bairros oriundos de áreas de invasão vivem com água de poço. Esses são alguns dos pontos que serão discutidos durante a campanha. A outra questão é o transporte urbano. Não vejo nenhuma solução encaminhada viável para os problemas nessa área. Nós vamos buscar o apoio da população para fazer parcerias. E nós vamos buscar o apoio da iniciativa privada. Eu, que tenho ajudado tanto o Polo Industrial de Manaus (PIM), vou buscar parcerias junto aos empresários, o que nunca aconteceuna gestão municipal.”

‘Eduardo Braga deve ficar em Brasília’

Do outro lado da cidade, no Quality hotel, do bairro de Adrianópolis, o partido Democratas realizou a convenção que oficializou a candidatura do deputado federal Pauderney Avelino (DEM) à prefeito de Manaus. Em seu discurso para pouco mais de 200 correligionários, entre os quais 40 candidatos ao cargo de vereador, ele disse que é preciso cuidar das pessoas, não só no discurso, mas na prática, com programas. “Não dá para administrar Manaus fechado num gabinete. Chega de desgoverno”, disparou.

Em entrevista à reportagem, após o discurso, Avelino desconversou sobre os adversários e afirmou que o DEM está “pronto para a briga” e que não acredita na candidatura do senador Eduardo Braga (PMDB) à disputa pela vaga do prefeito Amazonino Mendes (PDT).


“Ele (Braga) deverá permanecer em Brasília onde ainda tem uma carreira para construir. Ele, ao contrário do que falam, tem sido eficiente na liderança do governo e tem um caminho e uma carreira para fazer em Brasília. Ele precisa ficar em Brasília”, comentou Avelino.

Abordado sobre os nomes do senador Artur Neto (PSDB), da deputada federal Rebecca Garcia (PP), e do ex-prefeito Serafim Corrêa (PSB), que aparecem na concorrência, o deputado respondeu que “para uma eleição que parecia ser morna, vislumbro no horizonte uma campanha animada”.

Na convenção o DEM não apresentou um nome para vice-prefeito. A justificativa apresentada por Avelino, é que ainda há tempo até o dia 30 (de junho) para o partido conversar para definir o vice. “Aqui na convenção nós decidimos que a Executiva municipal é quem vai cuidar da escolha do vice”, explicou.

O deputado Pauderney Avelino foi eleito em 2010 com 100.199 votos, pela coligação “Avança Amazonas” (PRB, PP, PTB, PMDB, PTN, PSC, DEM, PRTB, PMN, PTC, PRP, PCdoB), para o seu quinto mandato como deputado federal.