Publicidade
Manaus
ELEIÇÕES

Candidatos à reitoria da Universidade Federal do Amazonas participam de debate

As eleições para o quadriênio 2017-2021 serão realizadas na próxima quarta-feira (22). Caso ocorra o segundo turno, o mesmo será realizado no dia 31 de março 20/03/2017 às 19:11 - Atualizado em 20/03/2017 às 21:08
Amanda Guimarães Manaus

Os três candidatos à reitoria da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) participaram de um último debate na tarde desta segunda-feira (20), no auditório Eulálio Chaves, no setor Sul do campus de Manaus. As eleições para o quadriênio 2017-2021 serão realizadas na próxima quarta-feira (22). Caso ocorra o segundo turno, o mesmo será realizado no dia 31 de março.

O debate foi aberto à comunidade universitária. No primeiro bloco, cada candidato teve cinco minutos para mostrar as considerações iniciais. Depois foram sorteados temas, como concepção da Ufam, extensão e gestão, para que cada um mostrasse as propostas.

No segundo bloco, perguntas feitas pela comunidade foram sorteadas e respondidas pelos candidatos. Já no terceiro bloco, os representantes das chapas responderam questões feitas pela comunidade de forma oral. No último bloco, os candidatos fizeram as considerações finais.

Propostas

O professor Sylvio Puga, da Chapa 33 - "Ufam: conectado para o futuro", comentou que estava confiante para a vitória no processo democrático e contou quais são as suas principais propostas.

"Estamos confiantes. Andamos em toda a Ufam e percebemos o sentimento de mudança no interior e em Manaus. As nossas principais propostas são em relação à questão da saúde. Queremos oferecer um plano de saúde público para professores, técnicos e estudantes da Ufam. Também pretendemos trabalhar na parte da segurança", disse.

A professora Arminda Mourão, da Chapa 31: “Contraponto”, destacou que pretende acabar com a politicagem dentro da Ufam, caso seja eleita. Além de investir em um tripé envolvendo a extensão, pesquisa e ensino.  

"Estou confiante. Vivemos a universidade há 37 anos. Nós estamos confiantes, porque pretendemos mudar a instituição e temos proposta para isso. Queremos mudar a cultura da universidade para a discussão. Além de investir na moradia estudantil e no diálogo que deve envolver todos os seguimentos. A universidade precisa ser ética, se não darmos exemplo para a geração futura, vamos construir uma universidade operacional", afirmou.

O professor Hedinaldo Narciso Lima, da Chapa 17 - "Juntos pela Ufam", afirmou que é importante que a universidade ofereça assistência social para os estudantes da instituição. 

"É válido que os nossos estudantes tenham apoio, para realizarem atividades de pesquisa e extensão dentro da Ufam. Vamos lutar por isso. Mas o que foi feito de forma boa vamos continuar. Esta instituição foi criada para atender as demandas da sociedade. Devemos manter isso na universidade", completou.