Publicidade
Manaus
Dengue, protesto, faixa,

Cartaz chama atenção do poder público e apela por 'socorro' contra a dengue em Manaus

Preocupação reflete medo da população de viver nova epidemia, como a que ocorreu em 2011, quando mais de 53 mil casos da doeança foram notificados 14/08/2012 às 12:12
Show 1
Faixa mostra indignação com esgoto a céu aberto no bairro Adrianópolis, Zona Sul de Manaus
JOELMA MUNIZ Manaus

Indignado por conta de um esgoto a céu aberto no bairro Adrianópolis, Zona Sul de Manaus, um anônimo decidiu protestar contra o poder público e adverte a população que passa pelo local, com uma placa que informa: "Socorro! Dengue Mata, esgoto a céu aberto. Providências Urgente!". A placa está exposta na rua Fortaleza.

A preocupação do anônimo desperta atenção para os cuidados necessários a não infestação do Aedes Aegypti (mosquito transmissor da dengue) em Manaus. No primeiro trimestre de 2011, a capital registrou um quadro epidemiológico inusitado, com a circulação dos quatro sorotipos da doença: tipos 1, 2, 3 e 4.

De acordo com o Departamento de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), a dengue tipo quatro não circulava no país desde a década de 80.

Desde então, o 'cerco' contra o mosquito tem sido intensificado, o que, para o departamento, contribuiu para a redução no número de infectados pelo mosquito.

De janeiro a julho de 2011 a Semsa registrou 53.625 casos da doença. No mesmo  período deste ano,  a Secretaria  Municipal de Saúde identificou 3.223 casos. Uma redução de 50.402 infecções pelo mosquito em Manaus.

O último Levantamento de Índice Rápido de Infestação do Aedes Aegypti (LIRAa), realizado em julho de 2012, também apontou redução na infestação do mosquito. Conforme mostrou o relatório, a queda foi de 2,7%, em abril, para 2% em julho.

Pelos parâmetros do Ministério da Saúde, o resultado apurado pelo LIRAa, na capital, é de médio risco para casos de dengue, patamar que vai de 1% a 3,8%.

Apesar da redução no índice geral de Manaus, o levantamento destacou uma possibilidade maior da doença nos bairros da Zona Leste. "As áreas com maior problema estão, principalmente, nos bairros Tancredo Neves, Jorge Teixeira e Coroado".

Quantidade de casos em 2012

De Janeiro a julho foram 3.223 notificações

Janeiro: 806

Fevereiro: 1.358

Março: 379

Abril: 223

Maio: 140

Junho: 172

Julho: 145