Publicidade
Manaus
INVESTIGAÇÃO

‘Caso Andressa’: policiais encontram bolsa feminina e sangue próximo ao Compaj

Andressa Castilho de Souza, 23, está desaparecida desde o dia 28 de novembro quando foi visitar o marido no regime fechado do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) 11/12/2017 às 18:57 - Atualizado em 11/12/2017 às 18:57
Show compaj 123
Foto: Divulgação
Fábio Oliveira Manaus (AM)

Uma bolsa feminina com vestígios de sangue foi encontrada na manhã desta segunda-feira (11) por policiais do Departamento de Repreensão ao Crime Organizado (DRCO) durante uma varredura em um perímetro de mata localizada na frente do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), localizado no quilômetro 8 da rodovia BR-174 (Manaus-Boa Vista). O objeto pode pertencer a Andressa Castilho de Souza, 23, que desapareceu desde o fim do mês passado ao visitar o marido no regime fechado.

De acordo com o diretor do DRCO, delegado Guilherme Torres, a bolsa foi encontrada a 600 metros da estrada principal que dá acesso ao Compaj e foi encontrada com ajuda de militares do Corpo de Bombeiros e de um cão farejador. Segundo o delegado, na manhã desta terça-feira (12), a família de Andressa será chamada para verificar se a bolsa pertence ou não à merendeira.

Segundo Torres, tudo indica que Andressa foi assassinada e que o principal suspeito é o ex-presidiário Daniel Ferreira Chaves, que foi morto logo depois do desaparecimento de Andressa. “Tudo indica que Daniel foi morto no semiaberto do Compaj, já temos o local do crime, mas o corpo, provavelmente esquartejado, sumiu, e o corpo dela também ainda não foi achado”, explicou.

O delegado aponta que, no mínimo, três detentos do regime semiaberto do Compaj participaram da morte de Daniel, que foi amarrado, morto com estocadas e depois teve o corpo esquartejado. “Ainda não sabemos o que fizeram com os corpos, ou jogaram para os animais, ou enterraram, mas ainda não terminamos as buscas, estamos procurando e vasculhando uma grande trilha na mata”, contou.

O diretor do DRCO informou ainda que nenhum dos detentos ainda foi ouvido, mas que possui uma estratégia para levantar informações sobre os possíveis suspeitos da morte do Daniel e para esclarecer o desaparecimento de Andressa. Ele revelou ainda que o companheiro dela, o detento do fechado Júlio César, que responde por roubo, não possui participação na morte de Daniel.