Publicidade
Manaus
Espírito Santo, Fonte de Vida e Misericórdia

Celebração de Pentecostes reúne 50 mil fiéis no Sambódromo de Manaus

Arcebispo de Manaus comentou sobre a situação política do País: 'é possível ser honesto, é possível trabalhar, é possível fazer um país justo. Não é preciso roubar' 15/05/2016 às 20:30
Lucas Jardim Manaus (AM)

Mais de 50 mil fiéis se reuniram no Centro de Convenções de Manaus (Sambódromo) para celebrar a festa de Pentecostes, tradicional evento religioso. A data, que, segundo a tradição católica, marca a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos de Jesus Cristo e sua mãe Maria, teve “Espírito Santo, Fonte de Vida e Misericórdia” como tema escolhido para este ano.

Com louvores e músicas constantes vindos do palco, e incentivados pelo brado “Canta bonito, povo de Deus!”, os fieis novatos e assíduos se emocionaram durante a celebração, que começou por volta das 17h. A agente de limpeza Ivana dos Santos, que vinha pela segunda vez ao evento, se disse encantada com tudo. “É maravilhoso vir para a festa. É tudo muito lindo!”, declarou.

Já a dona de casa Luzilda Santos se disse veterana, vindo sempre. “É uma festa bonita, que fala do Espírito Santo, muito importante para a fé católica. Eu sou católica e não tenho como não participar. Estar aqui, perto do meu povo, perto de todas essas comunidades da nossa fé, é muito emocionante”, disse ela.

Durante a missa, vários fieis ergueram velas e celulares para representar a luz do Espírito Santo, em um clima de franca comunhão religiosa, com direito a alguns chorosos, que se entregavam de corpo e alma ao ânimo do evento.

“Pentecostes é das comunidades católicas. São elas que preparam e que vêm à festa. Não é uma devoção, não é um show, é uma festa da fé e pertence à Igreja. É dedicada ao Espírito [Santo], que faz a Igreja, que é a alma da Igreja. Essa festa é muito bonita por causa disso”, declarou o Arcebispo Metropolitano de Manaus, dom Sérgio Castriani.

Comentando sobre a posição e a influência da fé em um momento socialmente conturbado como o atualmente vivido pelo país, dom Sérgio afirmou que a fé aponta para a esperança e para um mundo possível.

“É possível ser honesto, é possível trabalhar, é possível fazer um país justo. Não é preciso roubar. A corrupção não é necessária. Acho que o povo mostra que é uma forma de viver. Como quer viver, quer trabalhar, viver em família e em paz. Acho que a fé nos mostra que ninguém rouba a esperança. Não podemos permitir que ela nos seja roubada”, concluiu.