Publicidade
Manaus
VENEZUELA

Cerca de 50 pessoas se reúnem em ato de apoio ao presidente Nicolás Maduro

Evento que aconteceu na sede do Sindipetro contou com a presença de representantes partidários e cônsules 22/08/2017 às 20:04
Show capturar
(Foto: Reprodução/Internet)
Tiago Melo Manaus (AM)

O movimento Frente Brasil Popular realizou, na tarde desta terça-feira (22), no Sindicato dos Petroleiros (Sindipetro-AM), localizado na Rua Bernardo Ramos, no Centro de Manaus, um ato em apoio ao presidente Nicolás Maduro e ao povo venezuelano. O encontro contou com a presença de cerca de 50 pessoas, dentre elas representantes dos partidos PT, PCdoB e PCB, além dos cônsules da Venezuela e de Cuba.

Para o coordenador da Frente Brasil Popular, Ruan Octávio, o ato, que teve início por volta das 18h, ocorreu simultaneamente em diversas cidades do Brasil e do mundo.

"Queremos, através deste ato político, mostrar nossa solidariedade com a Venezuela e seu presidente, que está em vias de sofrer um golpe do grande capitalismo norte-americano para que o petróleo do país seja explorado", afirmou Octávio.

 De acordo com o ex-vereador Waldemir José (PT), a manifestação teve como objetivo mostrar aos participantes a realidade do país vizinho.

"A Venezuela e o Maduro estão sofrendo uma grande pressão dos EUA, sob a pessoa do Trump, que já os ameaçou com uma intervenção militar. Fato é que Maduro não é um ditador. Ele foi eleito democraticamente e se essa regra constitucional for quebrada, será um golpe. Estamos somando à luta dos venezuelanos para que isso não aconteça", disse ele.

Faustino Torella Ambrosini, cônsul-geral da Venezuela no Amazonas, esteve presente no evento e aprovou o apoio dos vizinhos brasileiros. Segundo ele, o ato desta tarde foi de "suma importância para os venezuelanos".

"É bom que os demais vejam este outro lado e saibam do que realmente tem acontecido lá. A mídia só denigre a nossa imagem e a de Maduro Vamos seguir lutando contra esse bloqueio econômico sem abrimos para o neo-liberalismo e faremos isso com as armas que temos", concluiu ele.