Publicidade
Manaus
Manaus

Cieam apresenta novas propostas para Suframa

Novos estudos foram apresentados à Suframa para que possam desatar os chamados "gargalos" que atrapalham o fortalecimento do Polo Industrial. Propostas para um melhor modelo de desenvolvimento foram anunciadas pelo Cieam 01/03/2012 às 22:32
Show 1
Cieam apresenta propostas para Suframa
acritica.com Manaus

Os pontos básicos do Planejamento Estratégico apontando os "gargalos" do Polo Industrial de Manaus e as propostas do setor para o desenvolvimento do modelo foram apresentados nesta quinta-feira, 01, ao superintendente da SUFRAMA, Thomaz Nogueira, no Centro das Indústrias do Estado do Amazonas (CIEAM).

- “É importante que neste momento todas as entidades, governo e sociedade, falem uma mesma linguagem”, destacou o presidente do CIEAM, Wilson Périco, lembrando que a Federação das Indústrias do Amazonas (FIEAM) já destacou inclusive uma coordenadoria para atuar em conjunto com o Centro neste trabalho.

Até a próxima semana, os conselheiros do CIEAM devem dar o aval no questionário que será enviado a todos os seus associados ainda este mês, com perguntas sobre os principais entraves para o Polo Industrial, levantamento das maiores demandas do setor e metas para, pelo menos, os próximos dez anos.

- “Não podemos demorar muito neste diagnóstico, já conversamos com o Governo do Estado e o Ministério do Desenvolvimento e este estudo será enviado a eles para ajudar a pensar, todos em conjunto, o futuro da Zona Franca de Manaus”, explicou Périco.

A MB Consultoria, responsável pelo estudo, pretende realizar pesquisas com formulários impressos e formulários online, de modo a agilizar a tabulação dos dados e apresentar os resultados em maio, mês em que se comemora o Dia da Indústria (25).

Thomaz Nogueira colocou os técnicos da SUFRAMA à disposição para ajudar na iniciativa e informou que a autarquia também já está com estudos em andamento para “desatar os nós” do modelo.

O superintendente ressaltou que o caminho encontrado pela CIEAM é bom e deveria ser seguido por outras entidades. “É bom que todos façam a tarefa de casa e, depois, sentem para conversar, de modo a encontrar uma saída comum que beneficie o modelo”, disse, acrescentando que, com a ajuda das entidades sindicais, patronais e dos governos locais  levará a Brasília as sugestões para o futuro da ZFM.

- “Temos 50 anos pela frente e ninguém melhor do que nós mesmos para saber o que precisamos. Não podemos querer aqui todas as indústrias do mundo, então é preciso definir muito bem que caminho seguir e amarrar tudo de forma que possamos reforçar a parceria do governo federal”, concluiu.