Publicidade
Manaus
Manaus

Clientes estão frustrados com juros ofertados por redes bancárias no AM

Clientes estão indo a agências bancárias com uma expectativa (gerada pelo anuncio de redução nos juros) e saindo delas visivelmente frustrados com o que ouvem 27/04/2012 às 10:12
Show 1
João Carlos não conseguiu beneficiar-se com a queda dos juros bancários
Jornal A Crítica Manaus

Passados quatro dias da aplicação da nova política de juros, clientes estão se deparando com realidades distintas daquelas anunciadas em propagandas feitas pelos bancos públicos e privados. Por isso, economistas reforçam a necessidade de o cliente, antes de tomar empréstimo, conferir o juro de fato embutido no financiamento.

O industriário João Carlos Batista, que tem renda familiar de R$ 1,2 mil, quer sair do aluguel. Para isso, definiu duas estratégias: financiar uma casa ou tomar um empréstimo e pagar o imóvel à vista. Ontem, ele foi a uma agência da Caixa Econômica Federal. Com a renda que possui se encaixa no programa “Minha Casa, Minha Vida”, e pode ser subsidiada pelo governo Federal até R$ 17 do valor do imóvel que custa R$ 100 mil. Mas ele teria que dar uma entrada de R$ 16 mil. “Opção descartada. Se eu quero financiar o imóvel, não tenho como dar entrada”, disse.

Carlos pediu então que o gerente calculasse seu limite no crédito pessoal. Nessa modalidade, com as novas taxas, os juros variam de 1,80% a 3,88%. O industriário pode comprometer somente 30% de seu rendimento. Resultado: pode tomar emprestado R$ 8.440 que deverão ser pagos em, no máximo, 36 meses, com parcelas de R$ 360. A surpresa está no fato de que nos seis primeiros meses os juros cobrados serão de 1,80%, porém, a partir do sétimo mês os juros sobem para 2,39%. De acordo com o gerente do banco, este é o método novo, que esta sendo aplicado em toda a rede da Caixa.

NO HSBC

Carlos também esteve no HSBC, banco onde recebe seu salário. Nesse banco, com as novas taxas, ele pode tomar emprestado até R$ 6.550, divididos em 36 parcelas de R$ 323. “Os juros são de 3% ao mês, que vão representar anualmente uma taxa duas vezes maior do que a a Selic (hoje em 9%). Este não é um bom negócio”, avaliou o consultor econômico Renilson Santos.

Outro caso é o do professor Rossi Almeida Silva, que há dois anos tomou emprestado no banco Bradesco R$ 5 mil para quitar em 60 parcelas de R$ 349,79. “Vi a propaganda de redução de juros e quero refinanciar a dívida. Mas o banco estava sem sistema e a gerente me orientou para retornar amanhã (hoje)”, disse ele.

Para Renilson, este foi um mau negócio. O cliente está pagando 3,5% de juros ao mês. Segundo ele, é necessário que o cliente exija e tome conhecimento dos juros efetivos que lhes serão cobrados. “Isso não é simples de ser calculado, mas assim o cliente sabe quanto pagará pelos serviços do banco, além dos juros da modalidade que está contratando”, acrescentou.

A secretária Cristina Almeida, mesmo não sendo cliente do banco do Brasil, esteve na instituição para tomar informações sobre cheque especial e cartão de crédito. “Se eu quiser ter acesso terei que passar a receber pelo BB e aderir ao pacote de adesão que varia de R$ 18 a R$ 38 ao mês”. Os juros estão menores, mais é necessário atenção antes de fechar negócios.