Publicidade
Manaus
#DOEPRAMANA

Coletivo de mulheres do AM faz campanha na internet para manter projetos em 2018

O Instituto Mana realiza ações pela emancipação feminina, a promoção e defesa dos direitos das mulheres e o combate à violência de gênero. Meta é arrecadar R$ 5.200 em 24 horas, inspirada no movimento #diadedoar 19/03/2018 às 20:16 - Atualizado em 19/03/2018 às 20:28
Show apoie
Cartaz da campanha do Instituto Mana (Foto: Divulgação)
Vitor Gavirati Manaus (AM)

O coletivo feminista amazonense Instituto Mana vai lançar na próxima quarta-feira (21) uma campanha de financiamento coletivo na internet (“vaquinha online”) para arrecadar R$ 5.200. O dinheiro será utilizado para custear os projetos realizados pelo Mana em 2018.

As doações podem ser feitas pela plataforma 'Juntos com vc' (acesse aqui). Esta será a primeira vez que o Mana faz uma campanha de financiamento e, para conseguir arrecadar o valor, o Instituto terá apenas 24 horas.

“Esse prazo foi estipulado pela própria plataforma. Nesse dia, varias outras organizações que trabalham com direitos das mulheres ou empoderamento feminino vão estar com suas campanhas no ar. As 24 horas são inspiradas no movimento #diadedoar”, explica Keila Martins, uma das diretoras do Mana.

Keila ressalta que a campanha é “tudo ou nada”. Caso a meta não seja alcançada pelo Mana, o doador receberá o valor da contribuição de volta.

“O Instituto Mana é dirigido por quatro mulheres voluntárias. Além de a gente não receber nada, nós também temos os gastos de gasolina e de impressão, dentre outros. Por isso é tão importante receber as doações”, afirma a diretora, frisando que os projetos desenvolvidos pelo coletivo são gratuitos e abertos ao público.

Qualquer valor a partir de R$ 5 pode ser doado. De acordo com o valor da doação, o apoiador ganha recompensas, que variam entre e-mails de agradecimento a escolha de um dos temas de trabalho do Instituto Mana em 2018.

Os projetos do Instituto Mana

Enquanto coletivo feminista, o Instituto Mana tem como pautas a luta pela emancipação feminina, a promoção e defesa dos direitos das mulheres e o combate à violência de gênero. A organização é sem fins lucrativos, atua, principalmente, em Manaus, mas ganhou destaque no cenário nacional por causa de seu ativismo online.

A repercussão do projeto se deve muito pela orientação online a mulheres vítimas de violência de gênero, um dos projetos realizados pelo Mana.

“Mulheres cis e trans vítimas de violência de gênero que tenham dúvidas sobre como proceder nesses casos, podem entrar em contato conosco através do inbox na nossa página no Facebook e através do nosso e-mail, contando a sua história e solicitando orientação a respeito de que medidas podem ser tomadas para exigir justiça além de informarmos, sempre que possível, outros serviços de apoio disponíveis na região onde a mulher se encontra”, explica o site do Instituto.

Palestras em escolas sobre temas como Lei Maria da Pena e igualdade entre meninos e meninas; clube de leitura para debates sobre obras escritas por mulheres e a realidade da mulher na sociedade; e ações para a publicidade dos direitos das mulheres também são algumas das atividades desenvolvidas pelo Instituto.

Importância da discussão sobre o feminismo

A luta pelos direitos das mulheres é apontada por Keila como um dos principais fatores que ressaltam a importância de projetos como os desenvolvidos pelo Instituto Mana.

“Historicamente, todos os direitos das mulheres foram conquistados a base de luta. Através da organização das mulheres. Nada foi dado. Muitos dos direitos que a gente conquistou, hoje, estão ameaçados. Como, por exemplo, a proposta de lei que pretendia criminalizar as falsas denúncias de estupro. Por esses e outros motivos, projetos como o nosso, que trabalham pelos direitos das mulheres, que trazem esses temas são importantes”, afirma Keila, frisando a desigualdade de gêneros.

“A gente pode achar que as mulheres já conseguiram muita coisa. Mas, na realidade, nos espaços em que a gente conseguiu se inserir, ainda há muita dificuldade, o ambiente de trabalho é hostil, desigual, com muito assédio. Nós queremos direitos iguais socioeconomicamente. Por isso o Instituto Mana luta”, completa.

O Mana foi criado em janeiro de 2017 por três amigas. Conheça nesta reportagem do Portal A Crítica, publicada em março do ano passado, mais detalhes sobre a criação do instituto.

Publicidade
Publicidade