Publicidade
Manaus
Segundo a SSP

Crise econômica causou desativação dos postos da PM na Ponte Rio Negro, diz SSP

A falta de recursos obrigou o Estado a suspender o contrato com a empresa locadora. Segundo a PM, o problema será solucionado, no máximo, até esta quinta-feira (12) 10/05/2016 às 20:00 - Atualizado em 10/05/2016 às 21:52
Kelly Melo

Os três contêineres da Polícia Militar e Agência Reguladora dos Serviços Públicos Concedidos do Amazonas (Arsam), que ficavam instalados na cabeceira da ponte Rio Negro, na Compensa, na Zona Oeste, e na entrada do município de Iranduba, para a realização dos procedimentos administrativos das fiscalizações, foram removidos. O motivo, segundo a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), foi a crise econômica, que obrigou o Estado a suspender o contrato com a empresa locadora.

Os contêineres, que eram utilizados não só como abrigos pelos policiais e fiscais da Arsam, também serviam como base administrativa das duas instituições que realizam fiscalizações rotineiras tanto na ponte como na rodovia Manoel Urbano (AM 070). Com a retirada, policiais e fiscais da Arsam ficaram acomodados improvisadamente.

De acordo com o comandante do Batalhão de Trânsito da PM (Batran), Carliomar Brandão, a empresa locadora comunicou a remoção dos contêineres no fim da semana passada. Apesar da medida, de acordo com o comandante, as fiscalizações  do Batran não serão afetadas. “O nosso trabalho continua sendo realizado normalmente e as fiscalizações não serão afetadas. Um banheiro químico vai ser instalado no local e as viaturas vão dar suporte aos policiais”, informou.

Já o comandante-geral da PM, James Frota, afirmou que foi surpreendido com a retirada dos contêineres, mas garantiu que o problema será solucionado, no máximo, até esta quinta-feira (12). “A empresa não nos comunicou sobre essa medida e eu fui pego de surpresa. Mas vamos providenciar um trailer e um contêiner  nosso mesmo para serem instalados aqui na ponte e lá na entrada de Iranduba”, disse.

O comandante-geral não soube informar o que teria provocado a retirada dos contêineres e disse que a locação deles é de responsabilidade da SSP.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública explicou que em razão da crise econômica, o Estado suspendeu o contrato com a empresa que fornece os contêineres que ficavam na barreira de fiscalização da Ponte Rio Negro e reforçou que as fiscalizações continuarão sendo realizadas pela 8ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), responsável pela área, e também pelo Batalhão de Trânsito, de forma rotineira em horários não fixos.