Publicidade
Manaus
Manaus

Corretora é suspeita de aplicar golpes em no mínimo sete pessoas, em Manaus

Segundo vítimas, mulher oferecia benefícios em pagamentos e após receber dinheiro, não apresentava comprovantes. Suspeita foi denunciada em janeiro e Derfd irá investigar o caso 25/04/2014 às 20:44
Show 1
Em janeiro, Gabrielle contou em depoimento que deu golpe em vítimas porque já foi enganada
ACRITICA.COM* Manaus (AM)

A corretora de imóveis Gabrielle Viana Batista, 27, é suspeita de aplicar golpes em no mínimo sete pessoas oferecendo benefícios na compra de casas e apartamentos. A mulher já havia sido denunciada em janeiro por duas pessoas e nesta sexta-feira (25), outro grupo afirma ter sido vítima de estelionato. A Delegacia Especializada em Roubos e Furtos (Derfd) irá investigar o caso.

Segundo vítimas, a mulher vendeu apartamentos e nunca entregou os imóveis, chegando a cobrar em algumas situações R$ 7 mil. “Ela acabou com o meu sonho de sair do aluguel”, disse a funcionária pública Edinalda Sampaio, 52.

A vítima conta que percebeu o golpe depois que esteve em uma das lojas de modulados que Gabrielle havia indicado. “Não tinha nenhum contrato firmado. Quando eu cheguei pra escolher, a atendente entrou em contato com a construtora e só aí fui informada que não existia nada no meu nome nem no dela”, disse.

O casal Wilson e Taíza Nobre também afirmam que foram vítimas da corretora. Eles contam que chegaram a pagar R$ 7 mil em um imóvel na Torquato Tapajós. “Ela tem muita lábia. Convenceu a gente de que o negócio era legal, prometeu até a mobília da casa. Ficamos empolgados e como já a conhecíamos há muito tempo, não desconfiamos de nada”, revelaram.

Conforme o delegado titular da Derfd, Orlando Amaral, outras vítimas contam histórias parecidas, porém os valores cobrados pela corretora – que possui diploma do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci) – mudam em cada situação. Todas as pessoas, segundo Amaral, são conhecidas de Gabrielle.

“Ela conhece essas pessoas e ao contrário do que podem pensar, ela não desaparece nem perde o contato. Quando essas pessoas ligam cobrando ela inventa desculpas para não dar qualquer comprovante ou devolver o dinheiro”, explicou.

Ainda segundo o delegado, no primeiro depoimento de Gabrielle, a mulher admitiu que enganou as vítimas e colocou a responsabilidade em terceiros. “Ela disse que deu um golpe nessas pessoas porque também já foi enganada”, disse Amaral.

Segundo Amaral, as vítimas recentes e a suspeita serão ouvidos novamente e uma nova investigação deverá ser aberta e encaminhada à Justiça. 

*Com informações da repórter Kelly Melo