Publicidade
Manaus
À JUSTIÇA

Defesa pede autorização para delegado que matou advogado ir a médico fora da cadeia

Segundo advogada, Gustavo Sotero tem reclamado de dores após a briga que motivou a morte do advogado Wilson Filho. O delegado levou soco no olho 28/11/2017 às 14:18 - Atualizado em 28/11/2017 às 14:30
Show 1511893025709970
Foto: Reprodução
Oswaldo Neto Manaus (AM)

A defesa do delegado Gustavo Sotero, preso por matar a tiros no último sábado (25) o advogado Wilson Filho, na casa de show Porão do Alemão, em Manaus, pediu autorização da Justiça para que ele receba atendimento médico fora da cadeia. Segundo a advogada Carmem Romero, o delegado tem reclamado de fortes dores causadas pela briga ocorrida antes do crime. 

Conforme Romero, a carceragem da Delegacia Geral, onde Sotero está preso desde sábado (25), não dispõe hospital ou qualquer serviço médico. Ela conta que o delegado tem se queixado de dores no corpo e que exames “são um direito de qualquer preso”. Durante a briga, Gustavo Soterno foi atingido com um soco no olho direito golpeado pelo advogado Wilson Filho. O pedido de autorização à Justiça foi feito nessa segunda-feira (27).

LEIA MAIS: Delegado que matou no Porão será alvo de facções se ficar em presídio comum, diz Seap

“O atendimento médico é um direito de todo e qualquer preso. Ele não recebeu atendimento além do exame de corpo de delito. O pedido não se trata de uma regalia e nem pelo fato dele ser delegado. Pleiteei o plano de saúde que ele tem, mas o atendimento pode ser na unidade pública ou qualquer lugar que ele faça um exame mais detalhado”, disse ela, afirmando que até esta terça-feira (28) ainda não tinha obtido uma resposta do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM).

A advogada Carmem Romero ainda ressaltou que o pedido de autorização não influencia no mérito do processo. “Não cabe a mim dizer se está errado ou certo (a autorização). Não vou adentrar ao mérito. Ainda é muito cedo para afirmar qualquer coisa, pois nem a perícia foi concluída. Trata-se de um direito de todo e qualquer preso”.

Advogado assassinado

O advogado Wilson Justo foi assassinado na madrugada do último sábado (25) após ser alvejado com quatro tiros disparados pelo delegado Gustavo Sotero durante uma briga dentro da casa de show Porão do Alemão, na Zona Oeste de Manaus. Outras três pessoas ficaram feridas, incluindo a esposa do advogado. O delegado Gustavo Sotero foi preso em flagrante e ainda no sábado (25) recebeu prisão preventiva..

Homicídio qualificado

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil  Seccional Amazonas (OAB-AM), Marco Aurélio Choy, afirmou que a ordem está acompanhando de perto o caso do delegado da Polícia Civil, Gustavo Sotero. Para a OAB, o delegado deve ser indiciado por homicídio qualificado e não homicídio simples e lesão corporal, como consta no auto de prisão em flagrante do policial civil. 

Publicidade
Publicidade