Publicidade
Manaus
Manaus

Delegados do AM chefiam delegacias 'virtuais' improvisadas em contêineres

Mesmo sem a existência de local para desempenhar a função, um grupo de delegados do Amazonas foi nomeado, passou a receber salários equivalentes à nova condição embora ainda aguarde que as delegacias sejam construídas 18/05/2012 às 19:46
Show 1
No bairro Mauazinho, delegado designado afirma que está fazendo levantamento e que tem reuniões com a comunidade. Padre diz desconhecer reuniões
Leandro Prazeres e Mônica Prestes ---

Doze delegados da Polícia Civil, nomeados titulares em abril deste ano, ainda não têm delegacias para chefiar. De acordo com levantamento feito pela reportagem de A CRÍTICA, ao menos nove delegacias criadas apenas “virtualmente” para atender futuramente ao programa Ronda no Bairro, irão funcionar, provisoriamente, em contêineres alugados pelo Governo do Estado. Algumas dessas delegacias de lata poderão funcionar por até oito meses. Para complicar ainda mais a situação, os titulares, indicados pelo delegado-geral Mário César Nunes, já estão recebendo uma gratificação de R$ 4 mil pelo cargo que, na prática, eles não exercem.

No dia 10 de abril deste ano, foi publicado o ato de nomeação de 85 delegados titulares. Desse total, 12 foram lotados em delegacias que ainda não foram construídas. Essas delegacias foram criadas pelo Governo do Estado para atender ao programa Ronda no Bairro, que está funcionando na Zona Norte e deverá ser ampliado à toda a cidade até o final deste ano. Para atingir sua meta, o programa prevê a construção de dezenas de delegacias. O problema é que a nomeação dos delegados, que irão comandar os Distritos Integrados de Polícia (DIPs), saiu antes da construção desses espaços e pelo menos nove deles terão que trabalhar em delegacias de lata.

 Segundo o coordenador do programa Ronda no Bairro, Amadeu Soares, o Estado pretende alugar 89 contêineres refrigerados e adaptados para funcionarem como Delegacias de Polícia até que os prédios dos DIPs sejam concluídos. Ao todo, 15 distritos irão funcionar improvisadamente nesses contêineres cujo aluguel deverá ser feito por meio de licitação nos próximos meses. Amadeu Soares disse que os contêineres não irão comprometer a qualidade do serviço prestado pelos policiais do Ronda no Bairro. “São unidades climatizadas, confortáveis. Elas vão funcionar com Internet, telefone e tudo o que uma delegacia tem. Ficarão próximas aos locais onde as delegacias de verdade irão ser construídas”, disse. Entre os DIPs que irão funcionar em contêineres estão os que ficarão localizados nos bairros: Mauazinho, Parque 10, Conjunto Shangri-lá, São Jorge, João Paulo II, Coroado e Parque das Laranjeiras.

Inadequação
Na opinião do deputado estadual José Ricardo Wendling (PT), o aluguel dos contêineres não é a melhor alternativa. “O ideal seria apressar logo a construção desses DIPs em vez de trazer uma estrutura que, na prática, vai se mostrar precária e corre o risco de ser utilizada permanentemente”, afirmou. Amadeu Soares disse que o aluguel dos contêineres não ocorre por pressa, mas para atender o que ele chamou de “clamor popular”. “Existe um clamor da população para que o programa seja expandido. A gente sente isso nas ruas, vê na mídia. Por isso é que vamos alugar os contêineres. Alguns DIPs vão funcionar assim por no máximo três meses. Outros, por conta de problemas com desapropriação de terrenos, vão funcionar por mais tempo”, explicou.

Doze delegados da Polícia Civil, nomeados titulares em abril deste ano, ainda não têm delegacias para chefiar. De acordo com levantamento feito pela reportagem de A CRÍTICA, ao menos nove delegacias criadas apenas “virtualmente” para atender futuramente ao programa Ronda no Bairro, irão funcionar, provisoriamente, em contêineres alugados pelo Governo do Estado. Algumas dessas delegacias de lata poderão funcionar por até oito meses. Para complicar ainda mais a situação, os titulares, indicados pelo delegado-geral Mário César Nunes, já estão recebendo uma gratificação de R$ 4 mil pelo cargo que, na prática, eles não exercem.

No dia 10 de abril deste ano, foi publicado o ato de nomeação de 85 delegados titulares. Desse total, 12 foram lotados em delegacias que ainda não foram construídas. Essas delegacias foram criadas pelo Governo do Estado para atender ao programa Ronda no Bairro, que está funcionando na Zona Norte e deverá ser ampliado à toda a cidade até o final deste ano. Para atingir sua meta, o programa prevê a construção de dezenas de delegacias. O problema é que a nomeação dos delegados, que irão comandar os Distritos Integrados de Polícia (DIPs), saiu antes da construção desses espaços e pelo menos nove deles terão que trabalhar em delegacias de lata.

Segundo o coordenador do programa Ronda no Bairro, Amadeu Soares, o Estado pretende alugar 89 contêineres refrigerados e adaptados para funcionarem como Delegacias de Polícia até que os prédios dos DIPs sejam concluídos. Ao todo, 15 distritos irão funcionar improvisadamente nesses contêineres cujo aluguel deverá ser feito por meio de licitação nos próximos meses. Amadeu Soares disse que os contêineres não irão comprometer a qualidade do serviço prestado pelos policiais do Ronda no Bairro. “São unidades climatizadas, confortáveis. Elas vão funcionar com Internet, telefone e tudo o que uma delegacia tem. Ficarão próximas aos locais onde as delegacias de verdade irão ser construídas”, disse. Entre os DIPs que irão funcionar em contêineres estão os que ficarão localizados nos bairros: Mauazinho, Parque 10, Conjunto Shangri-lá, São Jorge, João Paulo II, Coroado e Parque das Laranjeiras.

Ironia
Mesmo enfatizando os aspectos “aprazíveis” das instalações que serão alugadas pelo Governo do Estado, Amadeu Soares disse que os contêineres não terão celas. “Se o pessoal dos Direitos Humanos vir a gente com presos em contêineres, eles vão vir correndo reclamar”, afirmou.

Os atos de Mário César Nunes

  • Em abril de 2011, o delegado-geral da Polícia Civil, Mário César Nunes, recomenda a nomeação de cinco candidatos reprovados no concurso da Polícia Civil de 2009. Entre eles, está o filho dele, Caio César Nunes.
  •  Em abril de 2012, o caso vem à tona a partir da veiculação de reportagens no jornal A CRÍTICA e na TV A Crítica. O caso fica conhecido com o “Quinteto Fantástico”. O governador do Estado manda criar uma comissão para investigar o caso.
  •  No dia 10 de abril deste ano, sob recomendação do delegado-geral Mário César Nunes, o governador Omar Aziz (PSD) assina a nomeação de 85 delegados titulares.
  • Em 12 abril de 2011, Mário César Nunes designa dezenas de delegados policiais para suas respectivas delegacias. Doze deles são designados para delegacias que não existem.
  • Ontem, o coordenador do Ronda no Bairro, Amadeu Soares, revelou que pelo menos 15 Distritos Integrados de Polícia (DIPs) irão funcionar de forma improvisada em contêineres adaptados. Os contêineres serão alugados até que as obras das delegacias reais sejam concluídas.