Publicidade
Manaus
Manaus

Deputados rejeitam 'pacote' na ALE-AM

Parlamentares querem parar pacote de construções anunciado pelo presidente da ALE-AM, no valor de R$ 29,9 milhões 13/03/2012 às 07:37
Show 1
O presidente da ALE-AM, deputado Ricardo Nicolau, na versão construtor, enfrenta pressões dentro de casa
KLEITON RENZO Manaus

A decisão do presidente da Assembleia Legislativa (ALE-AM), Ricardo Nicolau (PSD), em gastar R$ 22,9 milhões na construção de um edifício garagem para 467 veículos, encontra resistência em alguns parlamentares. Reportagem de A CRÍTICA, publicada no sábado (10), mostrou que além do edifício garagem, fazem parte do pacote de R$ 29,9 milhões em obras, a construção de uma creche, uma sala VIP e uma passarela em frente à Assembleia.

O deputado petista José Ricardo entrou ontem na discussão sobre o tema. Ele reclama um posicionamento da Mesa Diretora  da Casa sobre o projeto de resolução legislativa, apresentado por ele em 2011, que exige que o orçamento da ALE-AM seja discutido entre os 24 parlamentares e os servidores efetivos da Casa. “Desde o ano passado que espero uma resposta”, disse.

O deputado Luiz Castro (PPS), líder da oposição, afirma ter conversado com membros da Mesa Diretora da ALE-AM, e “alguns disseram que não foram consultados sobre a decisão” (o pacote de obras).

 A afirmação de Castro encontra eco no primeiro vice-presidente da ALE-AM, Marcos Rotta (PMDB), que disse só ter tomando conhecimento das obras por meio da imprensa. “Eu, como vice, discordo (das construções). Fiquei sabendo que a Assembleia iria fazer isso (edifício garagem) pela imprensa”. Questionado sobre sua posição de vice-presi ente e com poder de discutir decisões da Mesa Diretora, Rotta comentou: “É igual a rainha da Inglaterra. São coisas da cabeça dele. Uma política que ele está fazendo”, disse.

Efeito político

Para o presidente da ALE-AM, Ricardo Nicolau, as críticas são puramente “políticas”. Ele disse que a Assembleia não pode ser comparada às administrações dos municípios. “Não existe desvio de função. Eu não posso executar uma obra externa. Mas as obras internas, nós temos como fazer. Não dá para fazer uma comparação entre a Assembleia e a administração de municípios. As criticas são naturais e tem direcionamento político”, rebate.

Os deputados José Ricardo, Rotta e Castro disseram que vão pedir hoje ao presidente da Casa para que não avance na construção do edifício garagem. “Vou conversar com os demais deputados para a elaboração de documento que solicite ao presidente a desistência das demais obras”, disse Castro.