Publicidade
Manaus
348 anos

Designer cria miniaturas educativas e jogo de tabuleiro sobre a cidade de Manaus

O artista diz que tem como principal objetivo dar maior visibilidade ao patrimônio e à cultura do Amazonas, além de promover atividades lúdicas entre pais e filhos 23/10/2017 às 21:38 - Atualizado em 24/10/2017 às 14:25
Show zcid0324 01
Além de obras centenárias como o Mercadão, ele reproduziu a Arena, por exemplo. Foto: Winnetou Almeida
Álik Menezes Manaus (AM)

Há quase dois anos, o designer e estudante de arquitetura Carlos Melo começou a reproduzir miniaturas de  prédios  históricos da capital amazonense em papel (conhecidas como paper toys, em inglês). Ele também criou um jogo de tabuleiro que conta a história dos principais monumentos da cidade.

O artista diz que tem como principal objetivo dar maior visibilidade ao patrimônio e à cultura do Amazonas, além de promover atividades lúdicas entre pais e filhos que reforcem a identidade regional. 

Carlos Melo também acredita que o trabalho ajudará a  ensinar as crianças e adolescentes sobre a história do Estado por meio das construções de Manaus, principalmente as erguidas na região central de Manaus no período áureo da borracha. 

Nos últimos meses, ele tem trabalhado quase que exclusivamente na produção desses materiais  e já tem alguns modelos prontos para ser comercializados, como o Palácio Rio Negro, Relógio Municipal, Paço da Liberdade, Mercado Adolpho Lisboa, Teatro Amazonas, Arena Amazônia e a Ponte Rio Negro. 

O artista amazonense disse para o Portal A Crítica que o amor pelo Amazonas e pela educação são o que motivam. “O amor é o principal motivador. Queremos favorecer as crianças a conhecerem a história da nossa cidade, do nosso Estado”, contou.
 

O projeto

O projeto intitulado como Monta Manaus reúne, impressos em papel, os monumentos históricos para as crianças (e adultos) montar suas próprias miniaturas. Todos conjuntos são munidos de instruções em português e inglês para facilitar a montagem, além de um resumo sobre a história do local. 

“Nosso trabalho também ajudará a promover os pontos turísticos, mas também vamos estimular os pais a passar mais tempo com os filhos ajudando na montagem dessas miniaturas. Serão momentos importantes que eles terão juntos e ainda vão ter mais conhecimentos sobre nosso Estado”, contou. 

Desafios

Apesar do amor pelo estado na produção desse projeto, o artista esbarra em problemas como falta de parcerias para desenvolver e alavancar ainda mais o Monta Manaus. “Minha ideia é vender em escolas, mas falta parceria. Não é tão fácil como a gente esperava que fosse”. 

Para o projeto ganhar fôlego e mais espaço no mercado amazonense, o estudante de arquitetura precisaria de investimentos de empresas ou até mesmo das secretarias de educação. “Nossa ideia é que seja utilizado no ambiente escolar e em casa. Hoje meu maior desafio é o financeiro. Se empresários fizessem uma parceria com a gente nós conseguiríamos alcançar mais e mais crianças e até pessoas de outros estados conheceriam esse projeto”, disse.

 ‘Projeto valoriza a nossa história’

Para o antropólogo Rodrigo Fadul,   projetos como o Monta Manaus são importantes para dar visibilidade e manter viva a história do Amazonas. “Essas ações são sempre muito válidas, valorizam e destaca nossa história. É o patrimônio do Amazonas ganhando destaque”, disse. 

O cientista social destaca que   o fato dos grandes prédios históricos serem localizados no Centro da cidade e a região ser comercial a população amazonense acaba  passando “batida” pela história do Estado ou não dando a importância devida. “Muitas pessoas não têm acesso ao Centro de Manaus ou não percebem por onde estão passado. O Centro ainda é um local muito comercial e as pessoas acabam não prestando atenção. Mas esse tipo de projeto é fundamental para valorizar o que é nosso”.