Publicidade
Manaus
DADOS

Detecção de HIV/Aids aumenta 44,9% em dez anos no Amazonas, aponta boletim

Em 2016, número de casos confirmados chegou a 1.202. Mortalidade entre soropositivos também aumentou 45% em uma década 02/12/2017 às 09:55 - Atualizado em 02/12/2017 às 10:10
Show 1301793
A detecção de novos casos de HIV/Aids é feita por meio de testes rápidos (Foto: Winnetou Almeida)
Silane Souza Manaus (AM)

A taxa de detecção de HIV/Aids aumentou 44,9%, nos últimos dez anos, no Amazonas. Em 2006, a cada 100 mil habitantes, 20,7% eram notificados com a infecção, ou seja, 687 pessoas foram diagnosticados, enquanto em 2016 o índice subiu para 30%, chegando à marca de 1.202 casos confirmados da doença no Estado.

A mortalidade entre soropositivos também cresceu nesse mesmo período, no Amazonas. O incremento foi de 45%. No ano passado, a cada 100 mil habitantes diagnosticados com HIV/Aids, 8,8% foram a óbito. Os dados são do Boletim Epidemiológico de HIV/Aids, lançado ontem pelo Ministério da Saúde.

Em razão do aumento dos casos de HIV/Aids no Estado, Manaus será uma das 22 cidades do Brasil a implantar, a partir deste mês, o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) de risco à infecção pelo HIV. A medida de prevenção reduz o risco da infecção pelo HIV antes da exposição, por meio da utilização de medicamentos antirretrovirais (tenofovir associado à entricitabina) em pessoas não infectadas e que mantêm relações de risco com maior frequência.

De acordo com a coordenadora estadual de IST/Aids e Hepatites Virais, Dessana Chehuan, entre o público-alvo do tratamento, que será implantado na Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), estão homens que fazem sexo com homens, gays, travestis, transexuais, profissionais do sexo e casais “sorodiferentes”, ou seja, quando um é portador de HIV e o outro não. “O nosso discurso hoje é a prevenção combinada, que é o uso do preservativo associado a outras tecnologias, como o PrEP”, disse.

O documento do Ministério da Saúde traz as orientações para utilização dessa nova estratégia de prevenção dentro do Sistema Único de Saúde (SUS). Uma delas é que os profissionais de saúde, na entrevista inicial, têm que orientar os pacientes sobre o procedimento e realizar uma série de exames, como de detecção de HIV, sífilis, hepatite B e C, função renal e hepática. Ele explica ainda que a incorporação da PrEP não desestimula o uso do preservativo. A profilaxia não previne outras infecções sexualmente transmissíveis.

O tratamento foi apresentada ontem, Dia Mundial de Luta Contra a Aids, durante o simpósio “Novo Olhar da Prevenção: Prevenção Combinada e Tratamento como Prevenção”. O evento aconteceu na sede da FMT-HVD e contou com a presença de estudantes e profissionais da área da saúde. “Esta é uma forma de capacitar os profissionais de saúde quanto às ações de prevenção”, afirmou Cristianne Benevides Mota, coordenada da campanha “Dezembro Vermelho: A arte de vhiver, #vhiver”.

Exames e orientação

Além do simpósio “Novo Olhar da Prevenção: Prevenção Combinada e Tratamento como Prevenção”, voltado a profissionais e estudantes da área da saúde,   também aconteceu ontem, na Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), uma “Blitz Educativa” com oferta de teste rápido para HIV e Sífilis e distribuição de materiais informativos, preservativo masculino e feminino e gel lubrificante.

A aposentada Juraci Seixas de Araújo, 76, e as amigas, que haviam participado da 9ª Caminhada do Clube do Coração, na Vila Olímpica, Zona Centro-Oeste, aproveitaram o fim do evento para ir a Fundação de Medicina Tropical fazer o teste rápido. Ela disse que a preocupação com a saúde é constante. “É melhor ser conscientes senão pode sofrer em dobro”.

A coordenada da campanha “Dezembro Vermelho: A arte de vhiver, #vhiver”, Cristianne Benevides Mota, disse que o objetivo da intensificação das ações de prevenção, neste mês, é sensibilizar a população quanto ao uso do preservativo e o preconceito e discriminação.

Novo aumento em 2017

De janeiro a outubro deste ano, foram notificados 1.879 novos casos de HIV/Aids no Amazonas, novo aumento. Destes, 1.733 foram registrados em Manaus (92,2%). Do total de casos notificados nesse período, 1.503 foram em pessoas do sexo masculino (79,9%) e 376 (20,1%) do sexo feminino. A maior prevalência foi para a faixa etária de 15 a 34 anos. Os dados são da Susam.