Publicidade
Manaus
PALESTRA

Dia do Auditor Fiscal é celebrado com palestra de economista em Manaus

Foram discutidos temas como contextos de negócios e as prioridades do Amazonas como a formatação, produção e ampliação do mercado interno como também a infraestrutura, estruturação e competências críticas na base da economia 20/09/2017 às 12:55
Show  ndice
(Foto: Rebeca Mota)
Rebeca Mota Manaus (AM)

O Dia do Auditor Fiscal é comemorado amanhã (21), mas hoje teve uma palestra coordenada pela Escola de Administração Tributária do Sindifisco-AM (Esata), com o economista Ailson Nogueira Rezende, que falou sobre o tema ‘A Importância da Administração Tributária para a Recuperação da Economia do Estado do Amazonas’.

Entre os temas discutidos foram: os tributos existentes, a importância e os crimes fiscais, a política de planejamento para o Estado e medidas para recuperar a economia que seriam no meio ambiente no transporte produtivo, e nas ciências humanas e tecnologia. Além disso,  foram discutidos temas como contextos de negócios e as prioridades do Amazonas como a formatação,  produção e ampliação do mercado interno como também a infraestrutura, estruturação e competências críticas na base da economia.

"Temos que revisar a lei do Estado com essa questão de poder levantar novos segmentos  tão pesquisados, mas não são explorados e que estão no interior, eu não sou contra a Zona Franca, acho que ela vai continuar sendo o motor de desenvolvimento, mas temos outros segmentos que podem gerar emprego e renda no Amazonas, então é rever a legislação e o investimento em capacitação de recursos humanos", enfatiza Rezende.

Presidente do Sindifisco-AM, o auditor fiscal de tributos estaduais, Ricardo Castro, ressaltou a relevância da discussão do tema da palestra no momento em que se discute os direitos dos servidores públicos, as reformas previdenciária e tributária, como a importância do auditor fiscal.

"Nós sempre temos a intenção de difundir o papel do auditor fiscal no anseio da sociedade, nossa responsabilidade é garantir e assegurar o egresso dos recursos oriundos da receita tributária, aprovados na lei orçamentária anual que conhecemos como ICMS, IPVA, ITCMD de causa morte", comenta Ricardo.