Publicidade
Manaus
Manaus

Dirigentes lojistas discutem alternativa com Implurb sobre mudança no trajeto de ônibus

O lucro de diversas lojas no centro de Manaus tiveram queda após mudança na rota dos ônibus perto do porto de Manaus. Agora a Câmara de Lojistas apresenta um projeto que visa liberar o acesso às ruas onde as lojas se encontram. 09/07/2012 às 20:34
Show 1
Dirigentes lojistas de Manaus apresentam projeto de mudança no trânsito para presidente do Implurb
acritica.com ---

Na tarde de segunda-feira (09), o diretor presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano - Implurb, Manoel Ribeiro, recebeu uma comitiva de empresários, liderada pelo presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus - CDLM, RalphAssayag, para discutirem as alternativas para o trânsito do centro da cidade.


De acordo com Assayag, cerca de novecentos lojistas estão amargandoprejuízos superiores a 30%, desde que as mudanças no centro foram implantadas, por conta da cheia histórica que alagou dezenas de ruas edanificou a estrutura das galerias localizadas no entorno da Matriz.


“A nossa preocupação é com os trabalhadores. Se em cada uma dessas lojas, pelo menos um trabalhador for demitido, teremos um número
grande de desempregados. Com isso, vem um efeito cascata. Menos emprego, menor poder de compra, menos vendas. E por aí vai”, afirma Assayag.

Como alternativa para o problema, o grupo de empresários entregou ao Implurb um projeto para abertura de ruas de forma a beneficiar os
lojistas. A alternativa provisória também vai ser analisada por técnicos do Manaustrans e deve receber um parecer até a próxima
sexta-feira, 13.


“A prefeitura criou o projeto de Reurbanização do Entorno da Matriz e estamos apenas esperando a sensibilidade dos órgãos como Iphan e Ministério Público para darmos início às obras. Todo o projeto já está pronto, com o valor de R$ 5 milhões de reais
alocado, receita oriunda do próprio Implurb, e com um prazo de setenta e cinco dias para a conclusão a contar do seu início. Mas não depende só de nós.
Pedimos até que a sociedade se manifeste a favor do projeto, que precisa ser implementado de forma emergencial já que temos centenas de
pequenos comerciantes sendo prejudicados, na espera da solução desse problema”, afirma o presidente Manoel Ribeiro.