Publicidade
Manaus
Manaus

Doze bairros de Manaus ainda sem luz em decorrência da chuva

O número de ocorrências durante a chuva, segundo a Eletrobras Amazonas Energia, passou de 100 (média diária) para 726, aumento equivalente a 626% 31/10/2012 às 18:49
Show 1
Fortes ventos derrubaram árvore que caiu sobre muro e carro
Ana Carolina Barbosa Manaus

Até as 17h desta quarta-feira (31/10) – 20 horas após o início da tempestade ocorrida na noite de ontem em Manaus -, 12 bairros distribuídos nas seis zonas da cidade continuavam com problemas na rede de distribuição de energia elétrica, ficando parcialmente sem abastecimento. O quadro é reflexo não só da chuva, mas dos fortes ventos registrados ontem na capital amazonense, os quais chegaram, em algumas áreas, a 80 quilômetros por hora.

Os pontos que ainda enfrentam algum tipo de interrupção no fornecimento de energia são: Aparecida, São Raimundo, Glória, Santo Antônio, Vila da Prata, São Jorge, Compensa, Lírio do Vale, São Geraldo, Cidade Nova, Cidade de Deus e Nossa Senhora de Fátima. A previsão da Eletrobras Amazonas Energia é de que, até a noite desta quarta-feira (31), 100% do sistema esteja restabelecido.

Ocorrências

O número de ocorrências, segundo a Eletrobras Amazonas Energia, passou de 100 (média diária) para 726, aumento equivalente a 626%. Na ocasião do blecaute registrado há alguns meses em Manaus, por exemplo - quando foi necessário desligar o sistema caso haja risco iminente de danos -, o número de ocorrências registradas foi superior a mil, segundo dados da empresa.

A assessoria da concessionária informou que, para atender à demanda, 400 técnicos foram colocados às ruas, duplicando o número de equipes de 35 para 70 em decorrência da chuva. Mas, ainda assim, a empresa não conseguiu resolver todos os problemas ocasionados pela tempestade na capital. Áreas como o Centro da cidade, Flores e parte do Dom Pedro, até o meio dia, continuavam sem energia elétrica.

Avaria

A primeira ocorrência foi registrada às 21h20 pela Eletrobras pelo Call Center. Os casos relacionados aos hospitais da cidade tiveram prioridade. Segundo a assessoria, após o registro das ocorrências, o envio de equipes leva em consideração normas de segurança, as quais impedem, por exemplo, que os técnicos cheguem aos locais enquanto ocorrem ventos ou chuva de maior intensidade.

A maioria das ocorrências durante a chuva esteve relacionada à avaria na rede em função da queda de árvores e objetos como autdoor e postes. A Amazonas Energia informou, ainda, que no início do evento climático 60 alimentadores (os quais abastecem 25% da cidade) foram desligados. Desses, 11 (5%) continuam sem funcionar.