Publicidade
Manaus
Manaus

Drogas, celulares e bebidas são encontrados em revistas nos presídios do Amazonas

Drogas, bebidas, dinheiro e celulares foram apreendidos em locais inusitados neste ano durante revistas feitas por agentes penitenciários nos presídios localizados na cidade 27/12/2012 às 12:13
Show 1
Rosemilda levou uma penca de banana recheada com drogas ao namorado preso no Centro de Detenção Provisória (CDP)
Bruna Souza Manaus, Am

No ano de 2012 algumas notícias chamaram a atenção pela ousadia de pessoas que tentaram entrar com drogas e outros objetos nas penitenciárias. Várias pessoas foram presas tentando levar encomendas escondidas em objetos e partes inusitadas do corpo. Durante os flagrantes nos presídios foram encontrados produtos como uísque, celulares, armas e drogas.

O caso mais recente ocorreu nessa quarta-feira (26), quando o estudante Jean Ferreira Roque tentou entrar na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), localizada na Zona Leste de Manaus, com um celular modelo Blackberry, um carregador, um fone de ouvido e um chip introduzidos no ânus.

O ato que gerou diversos comentários nas redes sociais, vai de críticas à segurança do sistema prisional a sátiras ao jovem ‘mula’ do presídio.

Uísque e energético


Outro flagra aconteceu no dia 22 de novembro, quando um agente de disciplina identificado como Leandro da Silva Lima tentou facilitar a entrada também na UPP, de 12 garrafas do uísque escocês ‘Johnnie Walker’, 30 latas de Vulcano, 18 garrafas de uísque da marca ‘Ballantine’s’, três Blackberry, um telefone LG, um Iphone, além de carregadores, baterias e fones de ouvido.

Drogas na banana e na vagina


No dia 11 de novembro, a dona de casa Rosemilda Teixeira Delgado, 47, levou uma penca de bananas para o namorado preso no Centro de Detenção Provisória (CDP), situado no km 8 da BR-174. Entre as fissuras da fruta havia droga. Durante a revista, os agentes penitenciários desconfiaram e encontraram nove trouxinhas de entorpecente, entre Oxi, Cocaína e maconha prensada nas bananas.

Drogas ou celulares escondidos na vagina também são ocorrências constatadas durante revistas nos presídios. No dia 25 de novembro, Márcia Bárbara Bezerra, 29, acabou presa depois de tentar entrar no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), localizado no quilômetro 8, da BR-174 (Manaus – Boa Vista), com 150 gramas de maconha e uma porção média de cocaína dentro de uma camisinha escondida na própria vagina.

Fiscalização


De acordo com o secretário adjunto da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejus), Coronel Bernardo Encarnação, procedimentos têm sido realizados para coibir este tipo de prática durante as revistas realizadas nos presídios.

“Durante as visitas é comum a tentativa de entrada de objetos ilícitos e entorpecentes nos presídios. A Sejus tem investido em equipamentos como detectores de metais no modelo de portais, manuais e do tipo banqueta, além de recentemente colocar raios-X na UPP e no Compaj para verificar bolsas e outros objetos que possam ter escondidos estes materiais”, disse o Coronel.