Publicidade
Manaus
Manaus

Duas crianças são baleadas durante tentativa de homicídio contra detento em Coari (AM)

Homem que cumpre prisão domiciliar, sobrinha de 13 anos e neta de 3 anos, foram baleados por dupla de criminosos que supostamente querem se vingar 22/01/2016 às 12:34
Show 1
Polícia agora está vigiando a casa da vítima 24 horas
Kamyla Gomes Manaus (AM)

O detento identificado como Gerlan de Souza Ferreira, 38, que está cumprindo prisão domiciliar, e sua neta de 3 anos e a sobrinha de 13 anos, foram baleados na noite da última quarta-feira (20), na rua Praça São Sebastião, bairro Centro, localizado no município de Coari, a 363 quilômetros de Manaus. Esta é a segunda tentativa de homicídio contra o mesmo, que está sendo alvo constante dos criminosos por uma vingança.

Conforme informações do tenente Rherondy Aranha, que compõe o batalhão de Polícia Militar do município, o fato se deu em frente à residência do detento, que está em casa desde o dia 14 de dezembro de 2015, após determinação do Juiz de Direito Cid da Veiga Soares Junios, que declarou que Gerlan fosse removido para sua casa pois estava com um grave ferimento na perna. Foi determinado pelo juiz que o suspeito ficasse sobre escolta policial durante 24 horas por dia.

De acordo com o delegado titular da 33° Delegacia Interativa de Polícia (DIP), Mauro Duarte, Gerlan é um suposto “pirata do rio” (conhecido por matar traficantes que transportam drogas para Manaus para ficar com a droga).

Na noite desta quinta-feira (21), dois homens teriam parado em frente ao local do fato e efetuado cinco disparos de arma de fogo, os quais atingiram também as crianças.

“[As meninas] estão internadas e em estado estável. Já Gerlan, que foi atingido no braço, voltou para sua residência e, a partir de agora, está sendo monitorado pela Polícia Militar, 24 horas por dia”, declarou o delegado.

Remoção para Manaus

O delegado informou também que possivelmente a criança seria removida para um hospital de Manaus. No documento, enviado pelo delegado, consta que o ferimento do detento não poderia ser curado na unidade prisional, e que para que ele não fosse para o hospital, foi permitido ir para sua residência, para assim ficar sob escolta, o que não estava sendo cumprido. Ele deve cumprir prisão domiciliar pelo prazo de 120 dias.

O delegado informou que Gerlan já havia sido vítima de uma tentativa de homicídio em novembro de 2015, dia que ocorreu sua prisão. Antes disso, o dentento Gerlan respondia a dois processos por homicídio e a dois processos por porte ilegal de arma de fogo. O homem continuará sob escolta policial em sua casa.

O caso segue sob investigação na delegacia de Coari. Populares relataram à polícia, que o município está entregue aos criminosos e temem que mais crimes possam ocorrer. Todos estão assustados. Até o fechamento desta edição, a polícia ainda não tinha informações sobre o paradeiro dos suspeitos, que estavam em uma moto no dia do crime.