Publicidade
Manaus
Manaus

Durante 'Grito dos Excluídos' em Manaus, manifestantes cobram governantes

Classe política foi o principal alvo dos gritos de ordem e faixas de protestos empunhadas pelos manifestantes, a maioria de jovens 07/09/2012 às 22:56
Show 1
Os participantes da 18ª edição do Grito dos Excluídos se reuniram no Parque dos Bilhares, no bairro Chapada, na Zona Centro-Sul, por volta das 16h de sexta-feira
Lúcio Pinheiro Manaus

Em sua 18ª edição, o movimento  Grito dos Excluídos, em Manaus, reuniu cerca de 5 mil pessoas, segundo os organizadores, para cobrar dos governantes eleitos e os que vão se eleger um basta para as mazelas sociais da cidade, como o deficiente fornecimento de água, o precário serviço de transporte público e a ausência de políticas públicas para a habitação.



A classe política foi o principal alvo dos gritos de ordem e faixas de protestos empunhadas pelos manifestantes, a maioria de jovens. Até quem participava pela primeira vez do Grito dos Excluídos, e que ainda vai ter que esperar dois anos para votar pela primeira vez, se sentiu à vontade para expressar o descontentamento com os políticos.


Os participantes da 18ª edição do Grito dos Excluídos se reuniram no Parque dos Bilhares, no bairro Chapada, na Zona Centro-Sul, por volta das 16h de sexta-feira (7). Animados por performances teatrais, alegorias, poesias e muita música de protesto, os manifestantes, sob a coordenação de lideranças da Igreja Católica, encerraram a caminhada as 18h30, na praça do Bariri, na avenida Kako Caminha, bairro Presidente Vargas, Zona Sul.

Grupos de idosos ligados à Igreja Católica usaram do humor para ilustrar a difícil vida de quem não tem água encanada em casa. Com baldes de água na cabeça, eles dançavam em meio aos participantes, e tiravam fotos com os políticos que passaram pelo local.