Publicidade
Manaus
AMADO

‘Ele era o orgulho da família’, diz irmã de técnico de enfermagem morto no Parque 10

Danilo Nunes, 31, era técnico em enfermagem e foi encontrado com perfurações dentro da própria casa no conjunto Shangrilá, bairro Parque 10 16/05/2018 às 07:57 - Atualizado em 16/05/2018 às 09:01
Show enfermeiro
Foto: Arquivo pessoal
acritica.com Manaus (AM)

Familiares e amigos do técnico de enfermagem Danilo Nunes da Silva, 31, relataram que ele era um bom filho, cheio de sonhos, planos para o futuro, responsável e o orgulho da família. O jovem, encontrado morto com várias perfurações dentro da própria casa, no conjunto Shangrilá, bairro Parque 10, na Zona Centro-Sul de Manaus, era tido por colegas de sala como uma pessoa responsável e estava à frente da comissão de formatura de sua turma.

Danilo se formaria em Enfermagem em setembro deste ano e, de acordo com os amigos e a família, tinha tudo para brilhar profissionalmente. A irmã dele, Daniela Nunes, falou que a vítima era muito amada e lutava por seus ideais.

“Meu irmão era uma pessoa honesta, cheio de boa vontade no coração, um homem trabalhador, honesto, uma pessoa presente na família, só nos dava orgulho porque sempre foi estudioso”, disse Daniela, por telefone, muito emocionada. A irmã não imagina o motivo para o crime. A hipótese de crime passional é investigada pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

À frente da formatura

Uma amiga de faculdade de Danilo, a estudante Luciana Thereza Peixoto, relatou que a vítima era a pessoa que estava na linha de frente da formatura da turma e ansiava todos os dias para que todos os colegas concluíssem o curso. “Ele era tão responsável, chegava primeiro nos estágios, não merecia ter morrido assim. Soubemos que ele foi esfaqueado no sábado e estamos aguardando a chegada do pai dele que vem do Maranhão”, disse Luciana.

Os amigos relataram ainda que o técnico de enfermagem  era uma pessoa precavida e estava pagando por um jazigo dele em Manaus. Danilo era natural do estado do Maranhão. Familiares estavam vindo da cidade para que a vítima fosse enterrada.

Dia do crime

O corpo do enfermeiro foi encontrado por Daniela já em estado de decomposição, dentro da casa dele, na noite da última segunda. A irmã sentiu falta dele e decidiu visitá-lo na casa, onde ele morava sozinho. Ao chegar ao local, não conseguiu contato e, ao perceber que o ar condicionado estava ligado e a porta trancada, chamou os policiais da 23ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom). Eles arrombaram a porta e viram o corpo de Danilo com marcas de perfurações nos braços, peitos e costas. A casa estava toda revirada.

Uma vizinha, que não teve a identidade revelada, disse para a família que no sábado à noite ouviu uma discussão na casa de Danilo, mas não dava pra escutar o que diziam. Ela afirmou que na manhã de domingo pôde escutar a vítima tossindo e acha que ele pode ter agonizado durante toda a noite.

Publicidade
Publicidade