Publicidade
Manaus
Manaus

‘Em algum momento, terei que dizer não a eles’, diz Rebecca Garcia em entrevista

Quase seis meses depois de ter  a candidatura a prefeita de Manaus abortada, Rebecca Garcia assume a direção da Segov para coordenar as ações do Governo do Estado, principalmente no interior 16/12/2012 às 11:07
Show 1
Rebecca Garcia é atual secretária da Segov
Ana Carolina Barbosa ---

Recém-empossada no cargo de secretária estadual de Governo (Segov), a deputada federal licenciada Rebecca Garcia (PP) disse, em entrevista para A CRÍTICA, que suas primeiras ações na pasta foram reuniões com prefeitos e agendamento de encontros com consultores para o cumprir  uma das principais missões determinadas pelo governador Omar Aziz: enxugar a máquina administrativa.

Rebecca falou sobre política e negou que tenha tratado do tema ‘eleições 2014’ com o governador Omar Aziz quando foi convidada para assumir o comando da Segov. Mas não descartou a possibilidade de uma futura candidatura. A deputada federal reeleita em 2010 com 146 mil votos (60% em Manaus), conforme dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), preferiu não se antecipar sobre futuras articulações no interior para ampliar sua densidade eleitoral. Disse que sua prioridade serão as ações de governo. “Tenho uma lista de determinações dadas pelo governador Omar Aziz”.

Embora reconheça que estar à frente da Segov poderá criar oportunidades no campo político, a secretária classifica a função como uma faca de dois gumes. Ressalta que terá que adotar ações para o bem do Estado que não agradarão a todos. Desde a gestão do ex-governador Eduardo Braga que a Segov articula as ações no interior do Estado.

Acompanhe, a seguir, a entrevista.

O cargo de secretária facilitará sua aproximação com os prefeitos do interior e pode beneficiá-la em uma eventual candidatura em 2014. Em 2010, a senhora teve mais votos em Manaus. Como a senhora vai agir na Segov?

O cargo é de secretária de Estado e não posso agir como se tivesse um mandato. No meu mandato, me preocuparia com isso. Aqui é igualdade para todos. O Estado é muito maior que a questão política. Precisa ser profissional. Não posso tratar melhor a capital porque tive mais votos aqui (em 2010). Mas também não posso tratar o interior melhor porque quero crescer lá. O que eu tenho aqui é uma lista de determinações que o governador (Omar Aziz) me conferiu e que tenho que cumprir independente de me benefi ciar ou não.  O principal é tratar dos programas de governo. Vamos fazer essa relação institucional, que é missão da Segov. Vamos estar à frente dessa missão e  também da articulação de todas as secretarias.

Como deputada, a senhora tratou de temas relacionados à mulher. E como secretária, o que fará para melhorar a condição da mulher no interior do Estado?

A mulher também vai ser tratada com o máximo de cuidado que precisa ser. Não porque isso é bandeira do meu mandato, mas  porque é uma das prioridades do governador. Temos índices que mostram que uma mulher bem tratada e educada transfere isso para os filhos, o que não acontece com o homem. Isso nos dá uma noção muito clara de que vale à pena investir na mulher. O retorno dela é maior que o do homem, mas é claro que o investimento é para todos.

Vamos também fortalecer, porque já existem políticas públicas voltadas para as mulheres (no interior), e fazer com que elas aconteçam de verdade, para que os números ruins diminuam e os bons aumentem.

Durante sua posse, o governador citou algumas metas a serem cumpridas pela Segov. Quais são as principais metas?

Nessas duas primeiras semanas, estaremos fazendo reuniões com os secretários e gestores de programas para reprogramarmos nossas metas para as que são possíveis e viáveis (de serem alcançadas). Hoje, tenho alguns números, mas não quero trabalhar com suposições. Vou querer números reais, para poder te passar com certeza o que será feito pelo governo do Estado.

O Governo do Estado tem explorado em propagandas governamentais o programa Amazonas Rural. Como isso será tratado no interior? Ele será desenvolvido como o Zona Franca Verde?

O Amazonas Rural é um das  prioridades do interior porque o governador tem a preocupação de desenvolver um programa econômico para esses municípios. Hoje, há a piscicultura de Humaitá que tem dado demonstrações de sucesso muito grande e, dentro do Amazonas Rural vamos programar metas, mas é preciso que eu sente com o responsável por esse programa para me informar sobre o andamento dele e para que eu possa perguntar: o quê você pode me entregar em 2013? O quê você pode me entregar em 2014? E a partir daí criar um programa de metas possíveis.

Também na posse o governador determinou à Segov a redução de custos em programas que não vêm surtindo resultado. Em quais áreas isso deverá ocorrer?

Independente de não ser a minha área, já tomei algumas providências. Existe um trabalho desenvolvido pela Segov de consultoria prestada por uma empresa que da ferramentas e indicações de metodologias para diminuir custos da máquina. Na próxima terça-feira, membros desta empresa vêm a Manaus para nos reunirmos e tratarmos deste assunto, pois eles ficam em Minas Gerais.

(A íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa).