Publicidade
Manaus
Manaus

Em entrevista à rádio A Crítica FM, Vanessa Grazziotin fala em tom de despedida

A comunista comentou entre outras coisas, o apoio declarado do prefeito Amazonino Mendes, à candidatura de seu adversário Artur Virgílio Neto (PSDB) 28/10/2012 às 15:34
Show 1
Candidata Vanessa Grazziotin após votação
acritica.com Manaus

A candidata Vanessa Grazziotin (PCdoB) levou menos de cinco segundos para votar na manhã deste domingo (28). Vanessa conversou com a impressa no local e disse que tem esperança em uma virada neste segundo turno. Mas, em entrevista à rádio A Crítica FM, a comunista falou em tom de despedida. "Essa não é a primeira nem a última eleição".

Vanessa evitou comentar a declaração feita pelo senador Eduardo Braga (PMDB) de que ela foi "traída" dentro do seu próprio grupo político. Segundo ela, é preciso "esperar a poeira baixar, as coisas acalmarem".

"Toda avaliação de campanha tem que ser feita com muita tranquilidade. Você tem que esperar a poeira baixar, você tem que esperar os ânimos acalmarem. Aí vamos sentar. Somos todos adultos. Cada qual tem o seu partido político", comentou.

"Essa não é a primeira nem a última eleição. O que nós temos que discutir agora é o fim do resultado, é o futuro de Manaus, do Amazonas, o futuro do Brasil. Finda a eleição, a gente vai sentar e vai fazer uma avaliação. Porque não é a primeira nem a última eleição", repetiu.

Na entrevista à rádio A Crítica FM, Vanessa Grazziotin disse ter informado ao seu grupo político que a eleição deste ano seria complicada. "Eu avisei que seria diíficil".

A comunista votou na Escola Estadual Solón de Lucena, Zona Centro-Sul de Manaus, sessão nº 77 e comentou entre outras coisas, o apoio declarado do prefeito Amazonino Mendes, à candidatura de seu adversário Artur Virgílio Neto (PSDB).

De acordo com ela, "foi confirmado o que todos já sabíamos". "Amazonino sempre esteve por atrás da campanha dele (Artur)". Alfinetando seus adversários, Vanessa disse que pensa em escrever um livro sobre a experiência adquirida durante a campanha pelo cargo de chefe do Executivo Municipal.

"Estou pensando em escrever sobre a capacidade de algumas pessoas em transformar verdades em inverdades, fatos em farsa", disparou.

Rompimento
Questionada sobre como ficará o grupo político ao qual é ligada caso não tenha sucesso nas urnas, a candidata foi enfática ao dizer que não tem procuração para falar pelo governador Omar Aziz (PSD) e Eduardo Braga.

"Não tenho procuração de nenhum dos dois. Tenho orgulho do apoio que estou recebendo deles", falou. Ainda na entrevista, Vanessa comentou, em tom de brincadeira, que vai almoçar "feijoada" com a família neste domingo.