Publicidade
Manaus
SOB NOVA DIREÇÃO

Em meio à greve, alunos se mobilizam para dar aula com projeto 'professor por um dia'

Colégio no Centro recebe aulas de alunos candidatos. Idealizador, de 18 anos, fala do suporte à greve dos professores e ideal de manter estudo em dia 22/03/2018 às 12:43 - Atualizado em 22/03/2018 às 13:33
Show projeto
Alunos dão aula para companheiros de turma
Isabella Pina Manaus (AM)

Professores da rede estadual de ensino do Amazonas estão em greve. Logo, as aulas foram paralisadas. Mas não na Escola Estadual Francisco Albuquerque. Um aluno, com um ideal - e certa ansiedade pelos processos seletivos que vêm com a reta final do ensino médio - tomou a iniciativa de garantir aula para todos. Sim, cada dia um aluno tira o dia para ser professor. O projeto carrega o título: "Professor por um dia". 

As aulas comandadas por alunos chegam a ter cerca de 50 "alunos de verdade". É dos "professores do dia" a responsabilidade de garantir que o ensino continue. Cada dia um aluno voluntário se prepara e, no dia seguinte, comanda a sala de aula. O lema do projeto é: "Os professores estão em greve, mas a educação não para".

Matheus Castro, de 18 anos, é presidente do grêmio da escola e foi o idealizador do movimento, junto com Daniel Sampaio. No colégio, localizado no Centro de Manaus, são, no total, seis turmas do terceiro ano do ensino médio. Todas viraram uma só. Por trás, professores indicam assuntos atrasados para pautar os estudantes.

"Como a greve dos professores se estabeleceu, praticamente, na segunda-feira, estamos sem aula desde então. Como eu estudo lá desde sempre e chegamos na hora de participar de processos seletivos para buscar uma faculdade, não podemos perder esse tempo. Por isso conversei com representantes de turma, com o diretor do colégio e os alunos. Todos toparam de cara a ideia" conta Matheus.

Todo mundo participa, tira dúvida e debate o assunto. Sem bagunça. O esquema, claro, totalmente organizado pelos estudantes. O clima é quase igual ao de um cursinho preparatório. Só que com um professor por dia.

"É muito bacana porque os professores acharam que ia ser bagunçado, que não daria certo. Mas acabou ficando bem organizado". Explica Matheus, antes de mostrar apoio à causa dos professores e indicar, quase como garantia, que o trabalho pré-greve não foi em vão.

"A iniciativa partiu porque levamos em consideração o nosso lado e o dos professores, que estão sendo prejudicados. Apoiamos a greve, entendemos a importância dela, e trabalhamos lado a lado com eles para que todos sejam beneficiados".

Realidade dividida

Ao mesmo tempo que a maior parte do colégio se organiza para dar seguimento ao estudo, na noite desta quarta-feira um aluno da mesma escola publicou uma foto no Facebook apontando um revólver em direção a um professor. Duas realidades confrontadas na mesma locação.

O aluno foi identificado, punido, e pauta para os que, do outro lado, buscam a melhoria no ensino.

- Nós (alunos) conversamos sobre isso que aconteceu. Ele já foi expulso. Somos todos do mesmo meio, da mesma condição, da mesma realidade social. O que difere são as pessoas que fazem escolhas pessoais. Gente mal-intencionada tem em todo lugar. A pergunta é: "o que vocês estão fazendo para mudar isso?", responde Matheus.

Publicidade
Publicidade