Publicidade
Manaus
Manaus

Em protesto, moradores de área em risco interditam trecho de avenida na Zona Norte

Os manifestantes bloquearam, com barricadas, um trecho da via no sentido bairro-centro. Protesto contra terraplanagem durou cerca de meia-hora 25/09/2012 às 14:13
Show 1
Manifestantes bloquearam trecho da via no sentido bairro-centro
Thiago Gonçalves Manaus (AM)

Revoltados por causa de uma terraplanagem que cedeu sobre casas após forte chuva, moradores do bairro Parque São Pedro, na Zona Oeste de Manaus, fizeram uma manifestação na manhã desta terça-feira (25) na Avenida Torquato Tapajós, na Zona Norte. Os manifestantes bloquearam com barricadas um trecho da via no sentido bairro-centro, para chamar a atenção das autoridades.

De acordo com o líder comunitário, Raimundo Zacarias, as casas de quase 50 famílias estão ameaçadas pelo grande volume de barro que atingiu as residências, após chuva forte ocorrida na manhã de ontem.

“Nós temos quarenta e oito famílias no local, com crianças e idosos que precisam de providências urgentes. A terraplanagem está sendo feita de forma irresponsável do lado das residências das famílias”, disse.

O terreno que fica ao lado das moradias vai abrigar um condomínio, segundo os moradores. Eles estão temerosos com os trabalhos das máquinas escavadeiras que se aproximam das residências.  A área habitada pelos moradores é conhecida como hip-hap e foi ocupada há aproximadamente sete anos. A rua Buriti, no Parque São Pedro, dá acesso ao local.  


Moradores dizem que barro cedeu sobre as casas e temem acidentes (Foto: Antonio Menezes)

Moradora da comunidade, a dona de casa Maria dos Santos, de 61 anos, disse que foi surpreendida com forte correnteza de água que trazia barro para dentro da casa dela. “Tá uma situação difícil lá. Levei um susto com a lama entrando em casa na hora da chuva. Tem casa que as paredes ‘tão’ rachando”, contou a moradora.

Com o protesto dos populares, o trânsito foi comprometido. Policiais militares acompanharam as manifestações e orientaram o tráfego de veículos durante o protesto que durou cerca de meia-hora.

Defesa Civil
O tenente Celivaldo, da Defesa Civil Municipal, informou que o “quadro” de ocorrências como a no local onde estão localizadas as residências deve ser estudado para receber o devido atendimento do órgão. Moradores podem colaborar ligando para o número 199.