Publicidade
Manaus
Manaus

Em sete meses, Amazonas registra 551 mortes por arma de fogo

Em comparação ao mesmo período no ano anterior, foram registradas 527 mortes por arma de fogo, o que significa um aumento de aproximadamente 4% dos casos 18/09/2012 às 18:15
Show 1
551 casos de morte por arma de fogo foram registrados
Camila Pereira Manaus

Durante os sete primeiros meses de 2012, foram registrados no Amazonas 551 mortes por arma de fogo. Estes foram dados disponibilizados pela Secretaria de Segurança Pública (SSP) ao Portal acritica.com. Em cálculos os números representam que, até o mês de julho, houve aproximadamente duas mortes todos os dias.

Em comparação ao mesmo período no ano anterior, houve um aumento de aproximadamente 4% dos casos, quando foram registradas 527 mortes por arma de fogo.

Execução

Em junho deste ano, um casal foi executado na Zona Sul de Manaus com 12 tiros de metralhadora. De acordo com informações de populares, pessoas que estavam em um carro modelo Pegeout de cor preta realizaram cerca de 20 disparos.

Estevão Villen Peixoto, 28, foi atingido com dez deles - três no abdômem, um na lombar, um nas costas, um no ombro esquerdo, um no braço esquerdo e outros três na axila esquerda. O homem chegou a ser levado pelo Samu ao Hospital Pronto Socorro João Lúcio, mas chegou ao local sem vida.

Um outro casal foi executado no estacionamento do Instituto da Mulher Dona Lindu, também na Zona Sul de Manaus. Quatro homens em um veículo Corsa Classic preto de placa OAC-1109 dispararam cerca de trinta tiros de pistolas .40 e .380 contra o carro das vítimas.

O homem, traficante Glauciney Oliveira do Carmo, o “Glau”, era conhecido por comandar o tráfico em todo bairro do São Jorge e levou dez tiros. Daiane Souza Pimentel, 19, chegou a ser socorrida no Hospital Pronto Socorro 28 de Agosto, mas não resistiu aos disparos.

Tiroteio

O soldado da Polícia Militar Júlio César Gaspar Reis, 28, foi morto, durante um tiroteio ocorrido no Boulevard Álvaro Maia, no bairro Praça 14 de Janeiro, enquanto trabalhava de segurança em uma casa de show.

Outro oficial, soldado Cássio, da Superintendência Estadual de Navegação Portos e Hidrovias, estava no local e reagiu a ação dos bandidos. Houve troca de tiros entre os três, o policial conseguiu acertar os assaltantes com tiros na cabeça e no peito, mas o próprio foi alvejado com quatro disparos e morreu.

Outros casos

No final de agosto deste ano, uma criança de 11 anos morreu após brincar com um revólver do padrasto, um oficial da polícia militar. A assessoria da PM não confirmou se a arma pertencia ao oficial. O disparo atingiu a cabeça do garoto.

Outra vítima de arma de fogo foi Carla do Nascimento Douzanis, 20 anos. Ainda não se sabe os motivos para o assassinato da jovem, mas informações preliminares dão conta que homens conhecidos como Nênê e Rafaelzinho estariam envolvidos no caso.