Publicidade
Manaus
CIDADÃO 10

Empresa cobra taxa de 100%, mas não trata esgoto adequadamente

Com estação de tratamento parada e esgoto transbordando na rua, moradores reclamam da cobrança de taxa 16/10/2017 às 21:03 - Atualizado em 17/10/2017 às 07:13
Show capturar
Foto: Gilson Mello
Álik Menezes Manaus (AM)

A cobrança de uma tarifa de 100% sobre a conta de água, que é referente ao serviço de coleta e tratamento de esgoto, vem revoltando moradores conjunto Cidadão 10, localizado no bairro Tarumã, Zona Oeste, que dizem pagar valores “absurdos” por um serviço que não recebem. De acordo com eles, a rede de coleta de esgoto está transbordando, enquanto a estação de tratamento da Manaus Ambiental está abandonada. 

O resultado? Há duas semanas as ruas do bairro estão tomadas pelo esgoto que volta dos bueiros entupidos e vão parar direto em um igarapé, que corta a área verde do conjunto.

Um dos moradores do conjunto, o universitário Samuel Valente afirmou que pelo menos dois esgotos da rua 12 estão transbordando. Os moradores se reuniram e ligaram para a Manaus Ambiental, mas até ontem não obtiveram qualquer tipo de resposta. “Eles não se importam, mas deixa de pagar a conta para ver se não cortam o fornecimento de água”, disse. 

Para o estudante, a taxa de 100% sobre a tratamento de esgoto é “imoral e criminosa” porque os moradores do conjunto pagam por um serviço que não recebem. “Essa taxa de 100% é para serviço de esgoto e tratamento, mas que tratamento? Toda essa água suja cai direto num igarapé e os bueiros vivem entupidos. Cadê a fiscalização? Essa empresa deveria ser punida. Já chegamos a pagar quase 400 reais por mês (R$ 200 pela coleta e tratamento de esgoto), mas somos três pessoas em casa e passamos o dia quase todo fora”, afirmou. 

Ele contou à reportagem que a rede de esgoto do conjunto apresenta problemas constantemente. “Tem vizinhos aqui que já receberam faturas de até R$ 30 mil. Tem cabimento uma coisas dessas? Essa tarifa é um grande absurdo, como a gente paga por algo que não tem? Essa rua vive com problemas na rede de esgoto, com essa água podre no meio da rua”. 

Estação ‘parada’

Os moradores denunciaram, também, que há uma estação de tratamento de efluentes no bairro, mas que não funciona e raramente algum funcionário da concessionária vai ao local. “A estrutura existe, mas não funciona. Os funcionários da empresa vem aqui, mas é só. Todos os dejetos que saem das casas entra no esgoto, que transborda, e vai direto para o igarapé, na área verde”, disse Samuel Valente. 

Uma dona de casa de 44 anos, que pediu para não ser identificada, contou que parou de pagar as contas há dois meses porque considera criminosa a cobrança da tarifa de 100% sobre a rede de esgoto, uma vez que na rua dela não há tratamento e a coleta é precária. A última conta da dona de casa foi de R$ 270, sendo R$ 135 de consumo e R$ 135 de tarifa de esgoto. 

Sem respostas

A CRÍTICA entrou em contato com a Manaus Ambiental para questionar se o conjunto Cidadão 10 conta com rede de tratamento de esgoto, a partir de quando os moradores começaram a pagar a tarifa e quais os motivos. A reportagem também questionou quais áreas da cidades contam com área de tratamento e os prazos para toda a cidade contar com a cobertura. Contudo, até o fechamento desta edição, não obteve respostas para nenhuma das perguntas.