Publicidade
Manaus
Manaus

Empresário encontrado morto levava traficante

Antes de ser sequestrado e morto, Marcelino Encarnação dos Santos estava em um carro em companhia de “João Branco” 16/08/2012 às 08:35
Show 1
Familiares do empresário foram reconhecer e liberar o corpo dele no Instituto Médico Legal (IML), mas não quiseram comentar o assunto com a reportagem
acritica.com Manaus

O sequestro seguido de morte do suposto empresário Marcelino Encarnação dos Santos, 32, pode ter ligações com o tráfico de droga. Essa é uma das hipóteses levantadas pela polícia depois de ter descoberto que o homem que estava no carro com Marcelino era o presidiário do regime semiaberto e traficante de drogas, João Pinto Carioca, conhecido como “João Branco”. O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS). A família da vítima disse, nesta quarta-feira (15), que ele trabalhava com compra e venda de carros e não descarta a possibilidade de o crime ter ligações com o trabalho que ele fazia.

Marcelino, que respondia a dois processos na Justiça, um na 10ª Vara Criminal pelo crime de fraude e outro na 6ª, por apropriação indébita, foi abordado no estacionamento do aeroporto Eduardinho, localizado na avenida Santos Dumont, bairro Tarumã, por sete homens que ocupavam dois veículos: um Celta de cor vermelha e placa JXX-0982 e um Honda Fit de cor prata e placa não identificada. Dois deles estavam armados e entraram no carro onde estava o empresário, um Pajero de cor preta e placa JGA-3167, que seria de um amigo dele.

Escapou
Segundo testemunhas, o homem que estava com o empresário dentro do carro, identificado como sendo João Branco, conseguiu pular do veículo e escapou para dentro de um matagal, enquanto os bandidos fugiram em direção à avenida do Turismo, levando a vítima como refém. Até o final da tarde desta quarta (15), a Pajero onde estava o empresário ainda não havia sido localizada e está sendo procurada por investigadores da Delegacia Especializada em Furto de Veículo (DEFV).

A polícia foi acionada, mas não conseguiu identificar os homens que levaram Marcelino.

Corpo
Por volta das 20h de terça-feira, o corpo do suposto empresário foi encontrado por populares jogado na rua Marapatá, Distrito Industrial 2, Zona Leste de Manaus. Ele estava com as mãos amarradas para trás e tinha 11 perfurações de tiros pelo corpo. Quatro deles foram disparados na cabeça e, sete, nas costas. Os tiros foram de pistola.

A suspeita da polícia é de  que ele tenha caído em uma armadilha. A polícia tem informações de que ele havia sacado uma grande quantia em dinheiro e que estava com ele no carro. O corpo do suposto empresário foi reconhecido ontem pela manhã por familiares dele no Instituto Médico Legal (IML). Eles não quiseram comentar sobre o assunto e nem dar informações sobre Marcelino. A mãe, que não quis ter o nome revelado, disse apenas  que não sabia nada sobre ele, já que o mesmo não morava mais com ela.

Ligação
Atualmente o traficante está cumprindo pena no regime semiaberto e, no fim de semana, conseguiu sete dias de saída temporária para passar o Dia dos Pais, comemorado no domingo. A polícia vai investigar a ligação que o Marcelino tinha com João Branco.

Condenado
João Pinto Carioca , o “João Branco”, por mais de uma década, comandou o tráfico de droga no bairro do Mauazinho, Zona Leste. Ele foi preso em 2005 pela Polícia Federal e, no ano seguinte, condenado a 50 anos de reclusão pela Justiça Federal. João Branco é considerado pela polícia como um dos traficantes de droga que cresceu muito enquanto estava atuando, passando de “dono de boca” para atacadista. Ele é o responsável pelo abastecimento de uma grande parte das “bocas” de Manaus e também envia drogas para outros Estados. Tornou-se “xerife” (chefe dos criminosos) no Compaj, foi transferido para cumprir pena em um presídio federal, mas retornou e está novamente no Compaj.