Publicidade
Manaus
Manaus

Empresário que matou os assaltantes durante tentativa de roubo responderá em liberdade

Ricardo Frazão, empresário que baleou os dois assaltantes que tentavam roubar sua loja na Zona Leste de Manaus, já se entregou a polícia e irá responder em liberdade 19/04/2012 às 18:43
Show 1
O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS)
Mariana Lima Manaus

O empresário Ricardo Frazão, que matou dois homens durante tentativa de assalto realizado na tarde da última quarta-feira (18) na Zona Leste de Manaus já se apresentou à polícia e irá responder pelo crime em liberdade. As informações são do delegado da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Gustavo Cerqueira.

O delegado Gustavo Cerqueira, que acompanha o caso do empresário, afirmou que Frazão se apresentou ainda na tarde de quarta à DEHS onde foi ouvido. Ainda naquela tarde prestaram depoimentos também os membros da família de Maurício Silva Araújo, 35, que foi morto na hora do crime e o funcionário da loja e única testemunha que estava no local, Matheus Vasconcelos, 24.

Conforme o delegado, o segundo infrator identificado inicialmente por Adriano Rodrigo da Silva, se chama na verdade “Leonardo” e morreu ainda na noite de quarta no Hospital João Lúcio. “A família dele havia passado o nome errado, por isso foi difícil pra gente identificá-lo”, disse.

A família de Leonardo foi notificada, segundo o delegado, a depor logo após o crime, mas só compareceu a delegacia na manhã desta quinta-feira (19). “Eles devem ser ouvidos ainda nesta semana para poder concluirmos o inquérito”, disse Gustavo.

Durante o depoimento do empresário, Frazão afirmou que atirou em legitima defesa e que não possuía arma. Segundo o delegado, o comerciante irá responder em liberdade, pois se apresentou à delegacia. “Como ele se apresentou e não se configura flagrante irá responder em liberdade a não ser que, por algum motivo, o juiz peça a prisão preventiva dele”

 “O que deve ficar claro que ele não está respondendo em liberdade por ter agido em legitima defesa, pois só o juiz pode afirmar que ele agiu em defesa ou não”, disse Cerqueira, lembrando da importância de não reagir ao assalto: “A situação envolvendo esse empresário é atípica. Devemos ter em mente que é melhor perder os bens materiais do que a própria vida, o que, infelizmente, é comum acontecer nestes casos”, completa.

O delegado afirmou ainda que a empresa assaltada não tinha câmeras de vigilância nem seguranças particulares. O comerciante e os outros dois envolvidos também não possuíam fichas criminais. "A irmã do Maurício me disse em depoimento que ele tinha saído da prisão há muito tempo, mas não achei esse registro".