Publicidade
Manaus
Manaus

Escola Superior de Tecnologia realiza estudos de análise de solo com equipamento de última geração

A operacionalização dos equipamentos é feita pela equipe de alunos e técnicos da Escola Superior de Tecnologia, comandada pelo Prof. Rubelmar de Azevedo Filho, da EST, especialista em Pavimentação, Transportes e Engenharia de Tráfego 01/02/2013 às 20:39
Show 1
A operacionalização dos equipamentos é feita pela equipe de alunos e técnicos da EST
acritica.com Manaus

Adquiridos através de um projeto celebrado entre a Fundação Muraki e a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), o deflectrômetro, o densímetro de asfalto não-nuclear e o pêndulo britânico são equipamentos que permitem fazer avaliações estruturais de pavimentos, avaliações das condições de superfície, avaliações funcionais e avaliações de segurança.

Essas informações constituem subsídios fundamentais para projetos de restauração de pavimentos, dimensionamento de pavimentos flexíveis e rígidos, sistemas de gerência de pavimentos, planos de manutenção, e para o diagnóstico de falhas precoces em pavimentos. 

A operacionalização dos equipamentos é feita pela equipe de alunos e técnicos da Escola Superior de Tecnologia, comandada pelo Prof. Rubelmar de Azevedo Filho, da EST, especialista em Pavimentação, Transportes e Engenharia de Tráfego, contando com a competente parceria do Prof. Dr. Nilton Campelo, da UFAM. O Prof. Rubelmar comanda a única equipe da Região Norte do país, composta de profissionais habilitados e certificada pelos fabricantes dos equipamentos (FWD-PRIMAX 1500), com experiência comprovada pelos serviços realizados.

A qualidade dos equipamentos permite o diagnóstico e uma análise perfeita de pistas pavimentadas (estradas, vias públicas e aeroportos), dentro do mais moderno e atualizado sistema usado em países do continente europeu, com a vantagem de uma análise não destrutiva do pavimento existente que, comparado a outros métodos, apresenta eficiência, velocidade e eficácia na realização dos ensaios.



Sua utilização permite a verificação das imperfeições do subsolo, do solo e do pavimento, detectando a correção a ser feita para uma recuperação assertiva das deformidades.

O fato de o equipamento pertencer à academia e servir como laboratório de formação técnica profissional aos estudantes da Escola Superior de Tecnologia – EST, somado à relação existente com a Fundação Muraki, minimiza os custos do projeto em até 40%, se comparando o valor àqueles praticados pelas empresas que realizam o mesmo estilo de estudos no Sul e Sudeste do Brasil, muitas vezes com equipamentos de qualidade inferior.

Essa redução nos custos é possível uma vez que para a execução do projeto é utilizada a prerrogativa de pagamento de bolsas de estudo para os participantes, além de uma reduzida carga tributária possibilitada pelos incentivos fiscais atribuídos às fundações.

A relação é um exemplo de sucesso, haja vista que a Petrobras até bem pouco tempo fez uso dessa parceria na realização dos estudos de análise da pista do aeroporto de Urucu, no município de Coari-AM.

O Estado do Amazonas e suas cidades, além de outros estados do norte do País, ao optarem pela utilização dos expertises encontrados nas academias, tenderão a minimizar seus custos com projetos de obras de infraestrutura de transportes, além de estarem colaborando com a qualificação dos estudantes para suas futuras vidas profissionais.

Com informações da assessoria da Muraki.