Publicidade
Manaus
Política, Eleições Municipais 2012, Jerônimo Maranhão, PMN

"Eu vou acabar com essa esculhambação", afirma candidato à Prefeitura de Manaus

Com formação em Engenharia, o pernambucano Jerônimo Maranhão diz que pautará sua gestão por critérios técnicos para por fim ao desperdício de recursos públicos 08/09/2012 às 18:11
Show 1
Como um cidadão comum, Jerônimo Maranhão se diz revoltado com a administração dos recursos públicos no Estado e Município
Augusto Costa Manaus

O engenheiro Jerônimo Maranhão (PMN) disputa a Prefeitura de Manaus pela primeira vez com o compromisso de “honra” de, se for eleito, melhorar a rede municipal de ensino e acabar com o desperdício dos recursos públicos.

Com propostas como a demissão dos 6.380 funcionários temporários no seu primeiro dia de governo,  Jerônimo Maranhão enfatiza que não tem papas na língua e que  prefere falar a verdade a iludir ou ludibriar o eleitorado em busca de favores políticos. A seguir trechos da entrevista concedida ao repórter do Caderno de Política, do Jornal A Crítica, Augusto Costa.

Por que o senhor quer ser prefeito?
Para acabar com essa esculhambação que existe em Manaus. Eu sou como qualquer cidadão amazonense revoltado com a maneira como administram os recursos públicos tanto no Estado quanto na Prefeitura de Manaus.

 O senhor teria uma maneira melhor de administrar os recursos?
Não seria política. Seria técnica e de forma eficiente. A primeira coisa que eu faria seria demitir os 6.380 funcionários temporários indicados por políticos. Eu prefiro investir na criança do que no monte de puxa-sacos que estão ali indicados por políticos.

Qual a sua avaliação para escolher o seu secretariado?
Técnica. Sempre vai ser técnica. E o mais provável é que vou escolher o secretariado dentro do próprio quadro de quem já trabalha na prefeitura.

Qual o seu projeto para o centro histórico de Manaus?
O projeto para o Centro é reformar a feira da Manaus Moderna e ampliar até a feira da Banana, criar um edifício garagem de oito metros de altura que funcionaria assim: no primeiro andar perecíveis; no segundo, artesanato e cereais; e no terceiro restaurante panorâmico com vista para o rio e toda parte frontal daquilo ali vai se transformar numa praça que vai até o Roadway.

 Qual é o seu projeto para os camelôs?
Se você criar hoje um camelódromo você está criando uma instituição fantasma a curto prazo. Temos que criar alternativas e transferir os camelôs para uma dessas feiras que vai funcionar 24 horas e automaticamente vamos gerar 300 oportunidades de negócios e vamos transferir os camelôs para essas novas atividades. 

Os camelôs vão trabalhar junto com os feirantes?
Sim. São pessoas que precisam de alternativas para trabalhar.

Se for eleito pretende implantar o Zona Azul?
Não dessa forma. O correto chama-se parquímetro. Vou criar uma cooperativa com os próprios flanelinhas que vão administrar isso. Na frente de cada carro vamos colocar um parquímetro onde se coloca a moeda e automaticamente paga o estacionamento. Implantar Zona Azul, verde ou qualquer que seja a cor não funciona. Tem que dar oportunidade a quem exerce essa atividade. Essas pessoas só precisam ser capacitadas.

E o que o senhor pretende fazer com a taxa do lixo?
Eu participei do debate da Abralatas (Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclagem) e me comprometi que vou transferir a concessão da coleta do lixo para as pessoas que fazem hoje a parte mais difícil do trabalho que é a separação do lixo (os catadores), que eles façam também a coleta. Eles vão criar cooperativas, participar de licitação e vão ser donos do seu próximo negócio.

 O senhor pretende manter o contrato com a Consladel?
Eu pretendo avaliar todos os serviços que hoje são terceirizados pela prefeitura.  No meu governo, a Consladel está fora.

O que o senhor pensa sobre o monotrilho?
Essa é outra vergonha que estão querendo colocar para o povo de Manaus. No mundo todo o monotrilho não deu certo. Foi colocado no Japão, que vai do aeroporto até o Centro da cidade. Nunca houve qualquer tipo de implementação ou aumento em relação a isso. Eu trouxe a solução que é o metrô subterrâneo. Saindo da praça da Saudade até o Distrito Industrial.

E sobre o BRT?
O BRT e o expresso é a mesma coisa. O que temos que fazer é elaborar um sistema de alimentação do metrô. Seriam pequenos micro-ônibus que vão alimentar o metrô. Esse BRT que chamam é na realidade uma linha exclusiva como era o expresso.

O senhor pretende criar uma frota de ônibus da prefeitura?
Essa frota da prefeitura seria criada como um complemento do transporte urbano e seria usada como um parâmetro. Por que? Imagine que hoje as outras empresas que fazem concessão ao município de repente querem fazer greve e parar os ônibus. Você simplesmente pega os seus ônibus (da prefeitura) e substitui. Volta a ter o controle do sistema.

O senhor vai manter o contrato com a empresa Águas do Brasil? 
Não. Vou extinguir esse contrato. Na verdade quem se beneficiou com isso não foi à população. É simples, devemos estatizar a água novamente. O poder público tem a capacidade de quebrar qualquer empresa através do precatório. Simplesmente não paga e acabou. O cara vai demorar 20 anos e não recebe é simples. O Governo do Estado e a prefeitura têm essa prerrogativa.

Como o senhor resolverá o problema da falta de água?
O problema está na distribuição. Aquele elefante branco (Proama) que gastaram R$ 360 milhões e construíram na Zona Leste aquilo foi dinheiro jogado fora e não serve pra nada. Manaus não tem problema de captação de água. O volume que o sistema capta e trata dá pra distribuir em toda a cidade.  Tem que haver investimentos inteligentes em distribuição de água e logicamente esgoto que não foi feito há 50 anos. 

Que modelo de atendimento básico de saúde o senhor pretende implantar?
O melhor modelo que existe é você dar produtividade para os médicos e fazer o programa Médicos da Família. Eles vão nas casas para ensinar educação de saúde e tratar o indivíduo na parte preventiva. Já a parte corretiva da doença em si já é o resultado de um trabalho que deveria ter sido feita e não foi. O meu trabalho vai ser sempre na parte preventiva.

Qual será o maior legado da Copa de 2014?
A única coisa vai ser a Arena (Amazônia) que será um elefante branco. Debaixo da arquibancada que deveria ser uma área de circulação como estava previsto no projeto original aterraram. Essa aérea poderia ser alugada para reduzir o custo de manutenção.

Manaus terá recursos estruturais para sediar o Mundial de futebol?
A parte estrutural você vai ter um problema sério de investimentos em relação a hotéis. É óbvio que ninguém faz investimentos para uma atividade que só vai ter quatro jogos aqui. O empresário precisa ter retorno financeiro a longo prazo. Ele não vai se basear em dois ou três dias. Ninguém vai fazer investimentos no turismo e o que estão falando é uma grande mentira.

Qual a sua proposta para o lazer da população?
Iremos construir um local de lazer no Puraquequara, na Zona Leste, chamado Ponta Branca que vai beneficiar 700 mil pessoas. Eu nunca faria um investimento de R$ 70 milhões na Ponta Negra para beneficiar apenas 3 mil pessoas.

Por que o senhor ficou fora dos debates na TV?
Eu fui dizer que eles se preparassem bem que eu sou preparado e eles ficaram com medo de mim. Porque no dia que eu participar de um debate na televisão no outro dia sou prefeito de Manaus. Faria perguntas técnicas que meus concorrentes não teriam condições de responder.

Curiosidades
Raciocínio rápido e respostas objetivas marcam a performance do candidato a prefeito pelo PMN que afirma não acreditar em Deus e sim em resultados

Qual a sua religião?
Trabalho.

O senhor é ateu?
Não acredito em Deus. Eu acredito em resultados. A hipocrisia é o grande pecado do mundo. As pessoas se concentram num templo e de lá saem pra fazer besteiras.

Um filme?
Papillon. Pela perseverança de um homem que sozinho derrotou o império francês.

O senhor está lendo algum livro?
Só leio livros técnicos. Há 20 anos eu li o livro “100 anos de soledad” de Gabriel Garcia Marques que ganhou prêmio Nobel de Literatura.

Qual o seu time do coração?
O que ganha. Eu gosto de jogar. Pratiquei vários esportes. Era bom em natação nado os quatro estilos.

De que música gosta?
Gosto de músicas boas pra ouvir. Ouço sempre Elton Jonh e James Taylor.

Assiste televisão?
Às vezes, um filme. Novela só quando estou ligado no canal.

Tem alguma superstição?
Nenhuma.

Qual é a sua comida favorita?
Estrogonofe. De vez em quando eu vou para a cozinha.

O que pensa sobre o aborto?
É uma escolha da mulher. Eu não posso interferir em coisas pessoais. As pessoas é que sabem o que estão sofrendo e o que querem da vida. Nem o Estado ou município tem que se envolver em coisas individuais concernentes à família.

E sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo?
Quem vai casar é ele não sou eu. Então é ele que tem que escolher. Eu não posso dar palpite é uma escolha de cada um. Se ele gosta de alguém do mesmo sexo a preferência é dele. O que eu não aceito é que isso sirva de exemplo. Você não pode é transformar coisas ou exemplos que são opiniões de indivíduos como se fossem exemplo para a sociedade.

Perfil
Nome: Jerônimo Maranhão Vieira Rodrigues
Idade: 50 anos
Estudos: Formado em Engenharia Industrial
Experiência: Candidato pela primeira vez  a um cargo eletivo, Jerônimo Maranhão é filho de um dos fundadores do PMN, Heber Maranhão Rodrigues.  Assumiu o comando do PMN no Amazonas em 2011.