Publicidade
Manaus
Manaus

“Eu vou dar uma cara nova para a cidade de Manaus”, diz Artur

Artur diz que sua adversária no pleito passado, Vanessa Grazziotin, convive com a real ameaça de perda de mandato desde que o assumiu. 06/01/2013 às 10:49
Show 1
Prefeito Artur Neto
Kleiton Renzo Manaus

Em seu sexto dia como prefeito de Manaus, Artur Neto (PSDB), afirma não ter mais olhos para o Senado e diz que “a luta agora é governar a cidade” que o elegeu prefeito. Para isso, Artur vai fincar o pé em  Manaus  nos próximos 100 dias, evitando viagens. Ele deve convocar a Câmara Municipal para realizar no dia 8 uma sessão extraordinária de votação da reforma administrativa da Prefeitura.

Já em relação ao antecessor e apoiador na campanha, Amazonino Mendes, Artur prefere contemporizar classificando os problemas que a atual gestão está consertando de “arremates”. Ele também evita se aprofundar no déficit financeiro herdado e que a cada dia descobre maior. Na entrevista a seguir, Artur Neto anuncia que o Instituto de Desenvolvimento Gerencial (INDG) chega a cidade na próxima quarta-feira e espera, com a consultoria deles, economizar R$ 300 milhões no primeiro ano de mandato. A consultoria deve ser bancada pela iniciativa privada,

Prefeito, o senhor fala em R$ 150 milhões de déficit na prefeitura, e de um modelo de gestão que pode economizar R$ 300 milhões. Acaba que não há economia de fato, apenas paga um com outro?
Em primeiro lugar não estou adjetivando nada. Eu não uso a expressão ‘rombo’, eu não falei isso. Temos um déficit e estimo em mais de R$ 100 milhões e torço para não chegar em R$ 150 milhões. Mas só vou saber disso com um tempo. E tenho um projeto de ao fim de quatro anos ter déficit zero na prefeitura e para isso é preciso tomar medidas de austeridade e vamos pedir consultoria do instituto Gerdau e do professor Falconi, que chegam dia 11 para uma primeira conversa.

O senhor já está há seis dias como prefeito e já enfrenta processo da senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB), pedindo a cassação do seu mandato...
Isso não é caso da prefeitura, é do meu advogado. Eu queria que vocês lessem as pessoas para avaliar com bom senso. Ela convive com a real ameaça de perda de mandato desde que assumiu. Se for analisar a outra peça vocês verão. Quem viveu as duas eleições sabe muito bem se eu devo ter razão para preocupação ou se ela tem razão para preocupação. Estou na rua desde às 6h da manhã todos os dias e essa parte da política não me interessa. Se eu for perder tempo com isso eu vou fazer mesmice, e eu não estou aqui para isso. Eu vou dar uma cara nova para Manaus.

No Carnaval, o senhor pretende seguir o exemplo do ex-prefeito Amazonino Mendes e viajar nos feriados?
Não. Nos próximos cem dias eu não pretendo viajar. No Carnaval eu vou para o Sambódromo, prestigiar os blocos de rua, vou manter uma rotina de fiscalização sobre a cidade. E para mim não é nenhum sacrifício porque é uma festa muito boa. Tem blocos interessantíssimos, como o das Piranhas, a Banda da B.I.C.A e o Galo da Madrugada.


*A íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa