Publicidade
Manaus
Economia, Dieese, Cesta Básica

Farinha, tomate e feijão elevaram o preço da cesta básica em Manaus

A capital amazonense foi a cidade onde mais o produto registrou aumento, em relação ao mês de abril, o item teve um aumento de 14,79% 07/05/2012 às 11:17
Show 1
Farinha e outros dois itens contribuíram para elevar o preço da cesta básica em Manaus e também nas demais capitais pesquisadas
Síntia Maciel Manaus

A farinha, seguida do tomate, e o feijão foram os itens que contribuíram para elevar o valor da cesta básica no mês de abril, em Manaus, em relação a março. Conforme a pesquisa divulgada nesta segunda-feira (7), pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), a alta no preço da farinha foi verificado nas 17 capitais em que a entidade realiza a pesquisa de preços.

Manaus foi a capital onde mais o produto registrou aumento. Em relação ao mês de abril, a farinha teve um aumento de 14,79%. Segundo o Dieese, no ano a farinha acumula uma variação de 22,42%.

Já o tomate, item cujo preço é influenciado pelas condições climáticas, registrou aumento em 10 capitais. Em Manaus, foi verificado um aumento de 9,18%.

O feijão por sua vez teve um aumento de 8,14%, em Manaus. Nas 17 capitais em que ocorre a pesquisa do Dieese foi verificado o aumento no valor do produto. Assim como o tomate, em que as condições climáticas influem no preço, a seca também contribuiu para prejudicar as safras de feijão, em especial em Irecê (BA).

Poder de compra
No mês de abril, o custo da cesta básica para uma famílias de quatro pessoas em Manaus – dois adultos e duas crianças -, foi de R$ 801,57, durante o mês de abril.

Ainda de acordo com o Dieese, para adquirir uma cesta básica no valor de R$ 267, 19, e custear as demais necessidades – educação, saúde, lazer, transporte, vestuário, higiene -, o trabalhador amazonense deveria ter um salário mínimo de R$ 2.329,35.

O valor é correspondente a 3,74 vezes o salário mínimo atual, R$ 622,00.  

A jornada de trabalho cumprida por um trabalhador, nas 17 capitais pesquisadas, foi de 85 horas e 53 minutos, para adquirir a cesta básica.